Sexta-feira, 1 de Julho de 2011

A propósito de oportunidades…

No seu primeiro discurso no parlamento, Nuno Crato fez referência à necessária igualdade de oportunidades dos alunos, no acesso à educação, independentemente das condições sociais e financeiras das suas origens.

 

Acho que fica muito bem esta referência. Aliás, é um pensamento partilhado por qualquer pessoa de bem.

 

No entanto, e porque há sempre um “entanto”, ficaria muito melhor a Nuno Crato (e a muita gente) saber que essa igualdade de oportunidades não existe, nem vai existir. Não é uma questão de pessimismo crónico. É, tão só e apenas, uma constatação muito simples: tanto quem aconselha, como quem decide, em matéria de educação (ah… os especialistas, esses virtuosos…), presume que a escola consegue resolver esse problema.

 

A questão da falta de igualdade de oportunidades, em Portugal, ainda não se pode resolver dentro da escola. E é muito fácil perceber porquê. Basta pegar em dois jovens, de condições financeiras iguais e condições sociais diferentes. Dois jovens normalíssimos, a entrarem para o 7º ano. O jovem A, de pais bardinas (com o 6º ano de escolaridade) e que se estão “nas tintas” para que o filho estude ou deixe de estudar. E o jovem B, de pais atinados (com o 6º ano de escolaridade) e que desejam que o filho prossiga estudos e seja alguém na vida.

 

Por serem jovens normalíssimos, aos 12 anos, o que apetece mesmo é vadiar, brincar, jogar à bola e pregar umas partidas. Estudar, não faz parte das actividades preferidas.

 

Onde é que a desigualdade de oportunidades se evidencia, sendo a escola impotente para resolver o problema?

 

O jovem A, que deseja fazer só o que lhe apetece, tem margem de manobra para isso e para muito mais, como se fosse um “órfão de pais vivos”. Em menos de nada, a escola é apenas um local para passar parte do dia, a fazer o que lhe apetece, embora tenha que passar algumas horas dentro de quatro paredes (a fazer o que lhe apeteça). Em casa, nem vale a pena haver uma mesa para estudar, porque não é preciso. Acumulam-se as negativas e as queixas dos professores, perante a indiferença dos pais.

 

O jovem B, também deseja fazer só o que lhe apetece, mas não tem margem de manobra para isso, porque os pais controlam-no diariamente. Acompanham o percurso escolar, vão à escola, falam com o director de turma, perguntam pelo comportamento nas aulas, verificam e assinam os testes, exigem do filho um desempenho dentro das suas capacidades, obrigam-no a estudar e cuidam de que tenha condições em casa para o fazer. Os resultados escolares positivos são o melhor prémio para o esforço dos pais.

 

Porque os iluminados dos gabinetes assim decidiram, a escola oferece ao jovem A vários tipos de apoios: acompanhamento individualizado dentro da sala de aula, “explicações” gratuitas a algumas disciplinas, um tutor só para ele, e outras coisas do género. Mas o mocinho, que não é parvo e já percebeu que pode fazer apenas o que lhe apetece, “borrifa-se” para os apoios todos. Tem mais que fazer. Os professores, feitos tolinhos, passam os dias atrás dele, para o arrastarem para dentro de uma sala para mais uma sessão de apoio. No final do ano, foi um ano porreiro: oito negativas e algumas participações disciplinares, como se fossem medalhas que exibirá orgulhosamente perante os amigos. Com jeitinho, e não precisa de ser muito, o Conselho Pedagógico acabará por ditar a sua transição, porque ah e tal a idade e mais qualquer coisinha.

 

Em resumo, só começará a haver igualdade de oportunidades no acesso à educação em Portugal, quando o Estado intervir – com pulso de ferro – na educação que os pais dão aos filhos. Mas, para se começar sequer a caminhar nesse sentido, é preciso que muita gente perceba quão impotente é a escola – e esta é a parte mais difícil.

 

 

publicado por pedro-na-escola às 20:14
link do post | comentar | favorito

~posts recentes

~ E a Terra é plana…

~ A propósito dos melhores…

~ A propósito de oportunida...

~ A propósito das paranóias...

~ Especialistas em educação

~ O que vai ficar por fazer

~ Nuno Crato e a definição ...

~ Mega-Agrupamentos 4 - a p...

~ Mega-Agrupamentos 3

~ Mega-Agrupamentos 2

~ Mega-Agrupamentos

~ O segredo do sucesso nas ...

~ A anedota da vaca

~ Por falar em reduzir as d...

~ Agressividade de autores ...

~ Brincando às competências...

~ Pois, realmente, não foi ...

~ Contas ao número de aluno...

~ Reforço da autoridade dos...

~ Incompetência ao rubro...

~links

~arquivos

~ Julho 2011

~ Junho 2011

~ Maio 2010

~ Abril 2010

~ Março 2010

~ Novembro 2009

~ Outubro 2009

~ Setembro 2009

~ Agosto 2009

~ Julho 2009

~ Junho 2009

~ Maio 2009

~ Abril 2009

~ Fevereiro 2009

~ Janeiro 2009

~ Dezembro 2008

~ Novembro 2008

~ Outubro 2008

~ Abril 2008

~ Março 2008

~ Fevereiro 2008

~ Janeiro 2008

~chafurdar no blog

 
RSS