Sexta-feira, 24 de Junho de 2011

Nuno Crato e a definição de “Eduquês”

Com a escolha de Nuno Crato para liderar a Educação deste país, fiquei curioso quanto aos ditos e escritos deste senhor antes de ter sido escolhido. Na expectativa, obviamente, de lhe perceber a alma. Porque, uma coisa, é a opinião de uma figura algo pública; outra coisa, é a opinião de alguém que vai pegar nos destinos da Educação – ou, para ser mais curto e grosso, de alguém que terá a oportunidade de mudar efectivamente o nosso país.

 

Apontam-no como opositor do chamado “eduquês”, que até escreveu um livro sobre o assunto. Parece que é visto como a figura que poderá libertar as escolas do jugo do “eduquês”.

 

Curiosamente, e depois de ler as opiniões mais populares de Nuno Crato, fiquei com a impressão de que ele próprio é – infelizmente – um defensor de uma versão mais alargada do “eduquês”.

 

Esta versão, mais alargada, resume-se num pensamento único: o “eduquês” é uma forma crónica de inventar soluções para problemas que não existem e é sistematicamente aplicado por quem está desfasado da realidade.

 

A “teoria do coitadinho” e as “dificuldades de aprendizagem” são exemplos crónicos. Soluções para um miúdo que é rotulado de coitadinho, mas não é, ou que tem dificuldades de aprendizagem, mas não tem.

 

Querer associar os resultados de exames ao desempenho dos professores, é mais um caso crónico de “eduquês alargado”. Teoricamente, faz sentido, em especial num contexto imaginário em que os alunos são todos iguais e estão disponíveis para aprender (nas aulas e no estudo). O contexto real, que Nuno Crato aparenta desconhecer, é bem diferente: os alunos são todos diferentes e abundam os que não estão disponíveis para aprender.

 

No contexto real, o professor bem sabe que, bastas vezes, o nível 2 de um aluno num exame do 9º ano, é o fruto proveitoso do seu trabalho ao longo de um ano (ou mais) – visto por uma entidade externa como um mau resultado (logo, mau desempenho do professor), só o próprio professor (e os seus colegas do conselho de turma) sabe que foi uma vitória, porque o resultado mais expectável seria o nível 1, tal era a indisponibilidade do aluno...

 

A paranóia com a prova de ingresso na carreira docente, porque isso iria melhorar os resultados dos alunos, é outro sinal de desfasamento. Teoricamente, faz sentido, mas, na prática, não há prova de selecção que valha face a um grupo de alunos definitivamente indisponíveis para aprender.

 

A ver vamos, onde iremos parar…

publicado por pedro-na-escola às 16:54
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De pedro a 24 de Junho de 2011 às 18:06
Seja bem aparecido! Ainda bem que não paguei a assinatura RSS do blogue (há mais de um ano que não se postava por aqui)


De pickwick a 24 de Junho de 2011 às 19:17
Obrigadão! Confesso que já enjoava a escrita sobre o triste reinado da Isabel Alçada a mando do Sócrates... a ver se a lufada de ar fresco (esperemos) inspira novos escritos :-)


Comentar post

~posts recentes

~ E a Terra é plana…

~ A propósito dos melhores…

~ A propósito de oportunida...

~ A propósito das paranóias...

~ Especialistas em educação

~ O que vai ficar por fazer

~ Nuno Crato e a definição ...

~ Mega-Agrupamentos 4 - a p...

~ Mega-Agrupamentos 3

~ Mega-Agrupamentos 2

~ Mega-Agrupamentos

~ O segredo do sucesso nas ...

~ A anedota da vaca

~ Por falar em reduzir as d...

~ Agressividade de autores ...

~ Brincando às competências...

~ Pois, realmente, não foi ...

~ Contas ao número de aluno...

~ Reforço da autoridade dos...

~ Incompetência ao rubro...

~links

~arquivos

~ Julho 2011

~ Junho 2011

~ Maio 2010

~ Abril 2010

~ Março 2010

~ Novembro 2009

~ Outubro 2009

~ Setembro 2009

~ Agosto 2009

~ Julho 2009

~ Junho 2009

~ Maio 2009

~ Abril 2009

~ Fevereiro 2009

~ Janeiro 2009

~ Dezembro 2008

~ Novembro 2008

~ Outubro 2008

~ Abril 2008

~ Março 2008

~ Fevereiro 2008

~ Janeiro 2008

~chafurdar no blog

 
RSS