Segunda-feira, 15 de Março de 2010

A inversão das coisas

Vivemos num país onde há demasiadas coisas invertidas. Enoja-me este facto, mas é assim que andamos.
 
No caso do professor de música que se suicidou, é mais importante a fragilidade psicológica do professor do que a má formação pessoal dos alunos que tratam professores sem qualquer respeito.
 
No mesmo caso, é mais importante acautelar que aqueles “índios” não se sintam de forma alguma responsabilizados pelo que aconteceu (coitadinhos), do que condenar as suas atitudes ou evitar que se repitam.
 
A indisciplina na sala de aula, que é incompatível com qualquer sistema de ensino bem sucedido, é aceite no nosso país com a maior das benevolências, e até com algum carinho, perseguindo-se o professor que não é capaz de “lidar” com ela.
 
Toda a formação dada aos professores, no âmbito da indisciplina, aponta no sentido de conviver com ela, e não de a erradicar das nossas escolas.
 
Para o Ministério da Educação, é mais importante o aluno que não quer aprender, que não quer aceitar qualquer regra de boa convivência, que não se presta a atitudes de respeito seja por quem for, do que o aluno cumpridor, estudioso e dedicado.
 
Sai muito mais caro ao Estado um jovem que não quer fazer nada, nem aceita regra alguma, do que um potencial cientista. Sai mais caro, porque o Estado promove o direito a não querer fazer nada, a não aceitar regra alguma, nem a cumprir qualquer dever.
 
Nas turmas, todas as atenções e energias são canalizadas para os alunos que não querem saber da escola para nada, ignorando-se aqueles que são bons alunos e pretendem prosseguir estudos, contribuindo para a força intelectual e técnica da nação.
 
Numa sala de aula, o direito a aprendizagens de qualidade de que deviam gozar os alunos, é totalmente abafado pelo direito que qualquer um deles tem de inviabilizar todo o trabalho do professor. 
 
Aliás, nesta sociedade patética, tem mais direitos e paparicos o bandido do que a vítima.
 
Em casa, os pais já não mandam nos filhos. Habituaram-nos, desde pequeninos, a não serem confrontados com o “não”. 
 
Sobre a Educação (leia-se sistema de ensino), ausculta-se sempre quem não está no terreno: sociólogos, psicopedagogos, psicólogos, estudiosos, teóricos, gabinetes, etc.
 
Enfim, isto tudo dá-me vómitos, sinceramente.
publicado por pedro-na-escola às 12:28
link do post | comentar | favorito

~posts recentes

~ E a Terra é plana…

~ A propósito dos melhores…

~ A propósito de oportunida...

~ A propósito das paranóias...

~ Especialistas em educação

~ O que vai ficar por fazer

~ Nuno Crato e a definição ...

~ Mega-Agrupamentos 4 - a p...

~ Mega-Agrupamentos 3

~ Mega-Agrupamentos 2

~ Mega-Agrupamentos

~ O segredo do sucesso nas ...

~ A anedota da vaca

~ Por falar em reduzir as d...

~ Agressividade de autores ...

~ Brincando às competências...

~ Pois, realmente, não foi ...

~ Contas ao número de aluno...

~ Reforço da autoridade dos...

~ Incompetência ao rubro...

~links

~arquivos

~ Julho 2011

~ Junho 2011

~ Maio 2010

~ Abril 2010

~ Março 2010

~ Novembro 2009

~ Outubro 2009

~ Setembro 2009

~ Agosto 2009

~ Julho 2009

~ Junho 2009

~ Maio 2009

~ Abril 2009

~ Fevereiro 2009

~ Janeiro 2009

~ Dezembro 2008

~ Novembro 2008

~ Outubro 2008

~ Abril 2008

~ Março 2008

~ Fevereiro 2008

~ Janeiro 2008

~chafurdar no blog

 
RSS