Domingo, 15 de Novembro de 2009

Os Planos, as Metas e outras patetices

 
Ministério da Educação define Metas de Aprendizagem
10 de Nov de 2009
 
O Ministério da Educação (ME) deu início ao processo de definição das metas de aprendizagem a atingir pelos alunos em cada ciclo, bem como o seu desenvolvimento por ano de escolaridade.
 
Esta medida insere-se no estabelecimento de um quadro de Níveis de Referência para o Currículo Nacional, que se iniciará com a determinação das metas de aprendizagem para cada ciclo e seu desenvolvimento por ano e por disciplina ou área disciplinar, tendo em conta os padrões internacionais, a experiência portuguesa e os resultados da investigação sobre factores que determinam a eficiência dos sistemas educativos.
 
Destina-se a proporcionar um instrumento de orientação e controlo útil aos docentes, às famílias e aos próprios alunos, que permitirá ajustar o ensino a metas comuns e apoiar com maior segurança os diferentes percursos escolares.
 
A definição de Níveis de Referência para o Currículo Nacional tem vindo a ser realizada em vários países, com assinaláveis impactos na qualidade e na exigência dos sistemas educativos e com efeitos positivos nos níveis gerais dos resultados escolares.
 
A coordenação da equipa responsável pelo trabalho científico será assegurada por Natércio Afonso, do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.
 
O primeiro relatório, com as linhas gerais do Quadro de Níveis de Referência para o Currículo Nacional, será entregue no prazo de um mês, devendo as metas de aprendizagem para cada ciclo e área do currículo ser definidas até ao final do ano lectivo.
 
A definição de metas de aprendizagem integra-se num processo de aperfeiçoamento do Currículo Nacional, no quadro do qual o ME tomará outras medidas, nomeadamente relativas à articulação e à sequencialidade das aprendizagens, à gestão da organização curricular e da carga horária das áreas disciplinares.
 
A par desta intervenção na área do currículo e visando proporcionar condições que permitam concentrar a actividade docente na prática pedagógica, o ME emitirá orientações destinadas a simplificar e a desburocratizar procedimentos administrativos.
 
in www.min-edu.pt
 
Quando Maria de Lurdes Rodrigues chegou ao poder, uma das primeiras ideias brilhantes de sua alteza foi a criação dos Planos (de recuperação, de acompanhamento, de desenvolvimento) para, finalmente, melhorar a Educação. Nas escolas, se bem me lembro, levantou-se um coro de gargalhadas pela patetice da ideia, pois se um aluno não quiser aprender e os pais não se importarem que ele não aprenda, não é com falinhas mansas que se resolve o problema, e muito menos com papéis.
 
Agora, foi a vez de Isabel Alçada chegar ao poder e começar a brincar com a Educação, impondo esta iluminada ideia das “metas de aprendizagem”. Já se começa a ouvir um coro de gargalhadas, ou é impressão minha? Até hoje, os professores orientavam-se sem metas (?), ensinavam o que lhes dava na gana, sem a noção do que é que os seus alunos deviam saber na sua disciplina e em determinado ano de escolaridade. Aliás, o estabelecimento destas “metas” será especialmente útil nos casos de alunos que não querem aprender rigorosamente nada! Pois claro! Chegou mais uma salvadora da nação...
 
Preocupa-me saber que ainda mais medidas virão, já de seguida. Germinadas nos gabinetes daqueles que não sabem o que se passa dentro das paredes das escolas, dentro das cabeças dos alunos e dentro das casas das famílias, mas que se fartam de inventar, década após década, mais e mais patetices para aplicação directa no mundo que desconhecem. As “investigações” desta gente têm um padrão comum de consequências: inventam-se problemas que não existem, para os quais se encontram soluções brilhantes que, obviamente, de nada servirão para resolver os problemas reais. Geralmente, em vez de resolver, só complicam.
publicado por pedro-na-escola às 10:48
link do post | comentar | favorito
7 comentários:
De linda a 16 de Novembro de 2009 às 11:18
Nunca mais acertam, só complicam e não se focam no essencial. Toda a avida trabalhei com metas e objectivos. Onde está a novidade? Agora, os planos, pela experiência de 23 anos de trabalho, servirão para alguma coisa? São feitos, refeitos arquivados e ignorados. A maioria das vezes são feitos por um colega mais "disponíveis", em reuniões das quais ao sair da porta ninguém mais fala. Não se podem perder, senão é um caos, mas não são mais lidos. Em certa escola acharam por bem encontrar um aluno, ocasionalmente mais brilhante e criaram um plano de desenvolvimento. O objectivo era fazer o 11º e o 12º juntos. O aluno esfalfou-se, os professores também e no final não foi autorizada a ideia. O aluno andou mais um ano e a escola não teve oportunidade de exibir os louros, pois esse era o principal objectivo. Em certa escola também não se trabalha sem vigias. Até sabem quantas vezes e quando vamos à casa de banho se houver um aperto a meio de um bloco de 90 minutos. E os professores podem ser ou não chamados à pedra dependendo da proximidade com a direcção. É o Portugal que temos! Ainda falam do Estado Novo. Aí era às claras. Todos sabiam que eram vigiados. E tudo isto por causa das metas e outras patetices...pfd82z


De Joao Andre a 7 de Fevereiro de 2010 às 11:28
de modo a poder ajudar quem queira tentar uma vida la fora no ramo de ensino criei o seguinte blogue

www.daraulaseminglaterra.blogspot.com/

seria possivel coloca-lo na lista de links favoritos? De bom grado retribuirei o favor, basta mandaram-me um mail a confirmar este meu pedido.



Com os meus cumprimentos

Joao Andre Costa
email: jacho8@gmail.com


De linda a 16 de Novembro de 2009 às 11:20
Os símbolos a seguir às reticências são uma gralha...


De Maria a 18 de Novembro de 2009 às 11:25
Claro que os professores trabalharam sem metas. E os bons trabalharam bem. Não precisam de metas, nem de manuais, nem de flores informáticas, nem ....
Outra discussão é saber se as ditas metas serão ou não úteis.
Os professores de Línguas Estrangeiras trabalham há anos com metas fornecidas pelo Quadro europeu comum de referência. Não vejo que sejam, por isso, uns atrasados mentais.
E ganharam na clareza dos passos a dar, na objectividade das comparações, na organização das progressões, ...
Não percebo a cenha com que se atacam todas e quaisquer medidas tomadas pelo ME. Sobretudo as que visem estruturar o trabalho a desenvolver e que visem facilitar o diálogo entre profissionais ,,, A menos que se queira continuar com uma concepção de ensino que (à maneira de Eduardo Prado Coelho) podia classificar de "suspirante": ah! os Lusíadas!, ah! que belo gráfico!, ah! os probrezinhos! ah! ...



De PAGAN a 29 de Novembro de 2009 às 13:23
http://antinatoportugal.wordpress.com/2009/11/29/blogues-como-tornar-se-um-blogue-apoiante-da-pagan/


De Vera Y Silva a 1 de Janeiro de 2010 às 06:08

Receita de ano novo

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)

Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumidas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

Carlos Drummond de Andrade


De nota + a 17 de Janeiro de 2010 às 20:17
http://notasmais.blogspot.com/

divulguem pf


Comentar post

~posts recentes

~ E a Terra é plana…

~ A propósito dos melhores…

~ A propósito de oportunida...

~ A propósito das paranóias...

~ Especialistas em educação

~ O que vai ficar por fazer

~ Nuno Crato e a definição ...

~ Mega-Agrupamentos 4 - a p...

~ Mega-Agrupamentos 3

~ Mega-Agrupamentos 2

~ Mega-Agrupamentos

~ O segredo do sucesso nas ...

~ A anedota da vaca

~ Por falar em reduzir as d...

~ Agressividade de autores ...

~ Brincando às competências...

~ Pois, realmente, não foi ...

~ Contas ao número de aluno...

~ Reforço da autoridade dos...

~ Incompetência ao rubro...

~links

~arquivos

~ Julho 2011

~ Junho 2011

~ Maio 2010

~ Abril 2010

~ Março 2010

~ Novembro 2009

~ Outubro 2009

~ Setembro 2009

~ Agosto 2009

~ Julho 2009

~ Junho 2009

~ Maio 2009

~ Abril 2009

~ Fevereiro 2009

~ Janeiro 2009

~ Dezembro 2008

~ Novembro 2008

~ Outubro 2008

~ Abril 2008

~ Março 2008

~ Fevereiro 2008

~ Janeiro 2008

~chafurdar no blog

 
RSS