Segunda-feira, 19 de Outubro de 2009

O desafio-faz-de-conta de João Alvarenga

A propósito do artigo de opinião de João Alvarenga) Presidente da Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo), no jornal Público (17/10/2009), no caderno sobre os rankings de 2009, apeteceu-me especular sobre como seria se o país aceitasse o desafio que ele deixou:
 
"Se a supremacia do privado no ranking é fruto apenas da origem dos alunos, então deixem que todos optem, querendo, pelo privado. Depois avaliaremos o resultado".
 
Vamos lá. Num determinado concelho, existem três escolas: A, B e C. As duas primeiras são públicas e a última (C) é privada. Todos os alunos deste concelho têm direito a um cheque-ensino, que permite aos pais inscrevê-los na escola que quiserem, sendo que as “propinas” são iguais em qualquer das escolas, sem custos adicionais, nem letras minúsculas.
 
No ranking do último ano, as posições foram as seguintes:
- escola A: 900.
- escola B: 300.
- escola C: 100.
 
As escolas têm a seguinte capacidade (para acolher alunos):
- escola A: 300.
- escola B: 600.
- escola C: 100.
 
No concelho existem 1000 alunos. Considere-se que nenhuma das três escolas tem critérios para continuidade dos seus alunos, pelo que os 1000 alunos estão automaticamente em igualdade de circunstâncias no acesso a qualquer uma delas.
 
Presumo que a escola C seria a mais pretendida, por ter os melhores resultados no ano anterior, pelo que 900 alunos do concelho ficariam de fora. Com que critério? Não se sabe, pois João Alvarenga não disse.
 
Presumo, igualmente, que a escola B viria em segundo lugar na escolha dos outros 900 pais. Sorte que cabem lá 600 alunos. Resta saber com base em que critérios é que os outros 300 alunos seriam recambiados para a escola A.
 
Presumo, ainda, que, dos 1000 alunos do concelho, haja uns 50 cujos pais se estão bem nas tintas para essa coisa da escola e inscrevam os filhos na que ficar mais perto e dê para ir de carro. Se deixarem.
 
Critérios, pois. Talvez uns envelopes discretamente passados por baixo da mesa? Provas de selecção? Trocas de favores? Uns presuntos e uns queijos? Um borrego?
 
O desafio de João Alvarenga é, na prática, e salvo melhor explicação, transformar as escolas públicas em escolas privadas, no que toca à selecção da massa humana que se senta diariamente nas cadeiras das salas de aula. Todas, menos uma, por concelho: aquela que ficar com os malucos, arruaceiros, lunáticos, marginais, chanfrados, aspirantes a delinquentes, drogados, alcoólicos, etc., que não foram aceites nas outras.
 
Ou seja, o desafio de João Alvarenga é, na prática, uma patetice! Ou não. Se os malucos, arruaceiros, etc., ficarem concentrados todos na mesma escola, num gueto institucional, é certo que o desempenho dos alunos portugueses – como um todo – melhorará substancialmente. No exemplo que dei, em vez de 900 alunos sujeitos a conviver nas salas de aula com desestabilizadores, só haveria 300, incluindo os próprios. Visto doutro lado, em vez de termos apenas 100 alunos poupados ao convívio com quem não quer aprender, teríamos 700. Não está mal pensado. Tem muitas potencialidades, este desafio.
 
Aproveitei, também, esta suposta crença dos Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo: “Acreditamos ainda que todos os alunos são capazes de aprender.”
 
Aproveitei, porque também quero dizer, em nome dos Estabelecimentos de Ensino Público, que sabemos muito bem que todos os alunos são capazes de aprender! E sabemos, melhor que ninguém, que muitos deles não querem mesmo aprender e nisso têm o apoio dos respectivos pais!
tags:
publicado por pedro-na-escola às 20:55
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Miguel Trajano a 19 de Março de 2010 às 20:50
Amigo,
Não tem vergonha de falar daquilo que não conhece?! A liberdade de opção?! Diz-lhe alguma coisa?!
Uma coisa é certa: o privado e cooperativo só teria vantagens para TODAS as partes:
a) economia ao contribuinte (está provado que o privado é mais barato do que aquilo que vocês "públicos" gastam;
b) projectos educativos diferentes para que os pais possam EFECTIVAMENTE escolher a escola que querem para os seus filhos; (a escola pública, que DIZ ser laica, é toda igual. onde está a liberdade de opção?")
c) qualidade no ensino: ao dar a liberdade de opção aos pais, escolherão, não só em função dos projectos, mas também em função dos resultados. Haverá melhor avaliação para um corpo docente?!?!
Amigo,
quando não conhecemos a outra realidade... estamos calados que nem ratos... ou... senhor professor, aprendemos com quem sabe.
Faça uma visita aos colégios associados da AEEP e verá que a realidade do ensino privado e cooperativo é um exemplo a seguir... aliás, os ministros da educação não têm feito outra coisa.


De pedro-na-escola a 20 de Março de 2010 às 11:30
Caro Miguel,

Tenho vergonha de falar daquilo que não conheço e por isso não o faço. O que escrevo, é com conhecimento de causa.

Já agora, aproveito para lhe que dizer que sou e sempre fui a favor da liberdade de opção dos pais, relativamente à escola para os seus filhos. Não é isso que está em causa no meu texto.

O meu texto vem a propósito dos alunos cujos pais não escolhem nada, porque se estão nas tintas. Alunos sem regras, a quem não se consegue impor regras porque em casa sempre foram habituados a não as terem. Alunos cuja indisciplina crónica tem o apoio dos próprios pais. Essa realidade é que faz a grande diferença. E essa realidade não abunda no ensino privado, ou abunda?

Ou seja, os seus argumentos têm todo o sentido e concordo plenamente com eles, mas fica de fora a resolução do problema dos tais alunos que abandalham tudo e cujos pais não querem saber... E convém que se saiba que são esses alunos que condicionam, em primeira instância, a qualidade do ensino prestado numa escola...


Comentar post

~posts recentes

~ E a Terra é plana…

~ A propósito dos melhores…

~ A propósito de oportunida...

~ A propósito das paranóias...

~ Especialistas em educação

~ O que vai ficar por fazer

~ Nuno Crato e a definição ...

~ Mega-Agrupamentos 4 - a p...

~ Mega-Agrupamentos 3

~ Mega-Agrupamentos 2

~ Mega-Agrupamentos

~ O segredo do sucesso nas ...

~ A anedota da vaca

~ Por falar em reduzir as d...

~ Agressividade de autores ...

~ Brincando às competências...

~ Pois, realmente, não foi ...

~ Contas ao número de aluno...

~ Reforço da autoridade dos...

~ Incompetência ao rubro...

~links

~arquivos

~ Julho 2011

~ Junho 2011

~ Maio 2010

~ Abril 2010

~ Março 2010

~ Novembro 2009

~ Outubro 2009

~ Setembro 2009

~ Agosto 2009

~ Julho 2009

~ Junho 2009

~ Maio 2009

~ Abril 2009

~ Fevereiro 2009

~ Janeiro 2009

~ Dezembro 2008

~ Novembro 2008

~ Outubro 2008

~ Abril 2008

~ Março 2008

~ Fevereiro 2008

~ Janeiro 2008

~chafurdar no blog

 
RSS