Sexta-feira, 2 de Outubro de 2009

O sucesso da colocação de professores

Ou não!
 
Ontem, dia 1 de Outubro de 2009, conseguimos recrutar o último professor que nos faltava para completar o quadro docente para este ano lectivo. Foi à terceira tentativa de contratação de escola, note-se!
 
A distribuição de serviço foi feita no início de Agosto, para que, até 13 desse mês, pudéssemos indicar as nossas necessidades numa aplicação da DGRHE.
 
Contas feitas, o brilhante sistema de recrutamento inventado pelo Ministério da Educação (da era Sócrates) engonhou-nos durante um mês e meio!
 
Para a ministra e os seus dois secretários de estado, o ano lectivo arrancou tranquilíssimo e a colocação de professores foi um estrondoso sucesso, mas só acredita neste trio quem quer muito ou quem é mesmo tapadinho.
 
Porquê esta demora?
 
A DGRHE inventou uma série de regras para o jogo que acabaram por atrapalhar tudo. Pena que não haja coragem para assumir isso publicamente. Às tantas só mesmo as escolas e os professores é que perceberam que o processo foi uma trapalhada completa.
 
A contratação de escola acabou por se revelar uma ideia exequível num país civilizado, mas incompatível com a realidade portuguesa, onde a falta de racionalidade e visão a médio e longo prazo colocou no “mercado” uma quantidade exagerada de profissionais habilitados para a docência, bem acima das necessidades, facto que facilmente entope esta metodologia de recrutamento. O “jogo da roleta” das decisões dos professores que concorrem, que subitamente podem ser seleccionados para dez escolas ao mesmo tempo ou num prazo de dois ou três dias, com número de horas bem diferente, ajuda à festa. A própria aplicação informática engonhou por diversas vezes, impedindo os professores de lhe acederem para aceitação ou recusa, o que, num jogo da roleta cronometrado e em competição com outras escolas, pode provocar situações de longos atrasos no processo e, tal como aconteceu na minha escola, fazer-nos “perder” candidatos com bom currículo, sobrando-nos outros com currículo inferior.
 
Ainda ficam algumas estórias por contar, a respeito deste assunto, mas acho que já chega. O facto inegável é que aquilo que o Governo de Sócrates propagandeou como um sucesso, foi, afinal, uma trapalhada. A mensagem do Governo de Sócrates passou, incontestada, e isso é que interessou.
publicado por pedro-na-escola às 15:07
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Maria a 4 de Outubro de 2009 às 10:55
Qual sucesso? Estou de baixa há 40 dias e ainda não apareceu ninguém que quisesse substituir-me, com horário completo e num grupo que nem é carenciado. É caso para dizer: e esta ein?

Cumprimentos


De pedro-na-escola a 4 de Outubro de 2009 às 19:56
E é também caso para dizer: porreiro, pá!


Comentar post

~posts recentes

~ E a Terra é plana…

~ A propósito dos melhores…

~ A propósito de oportunida...

~ A propósito das paranóias...

~ Especialistas em educação

~ O que vai ficar por fazer

~ Nuno Crato e a definição ...

~ Mega-Agrupamentos 4 - a p...

~ Mega-Agrupamentos 3

~ Mega-Agrupamentos 2

~ Mega-Agrupamentos

~ O segredo do sucesso nas ...

~ A anedota da vaca

~ Por falar em reduzir as d...

~ Agressividade de autores ...

~ Brincando às competências...

~ Pois, realmente, não foi ...

~ Contas ao número de aluno...

~ Reforço da autoridade dos...

~ Incompetência ao rubro...

~links

~arquivos

~ Julho 2011

~ Junho 2011

~ Maio 2010

~ Abril 2010

~ Março 2010

~ Novembro 2009

~ Outubro 2009

~ Setembro 2009

~ Agosto 2009

~ Julho 2009

~ Junho 2009

~ Maio 2009

~ Abril 2009

~ Fevereiro 2009

~ Janeiro 2009

~ Dezembro 2008

~ Novembro 2008

~ Outubro 2008

~ Abril 2008

~ Março 2008

~ Fevereiro 2008

~ Janeiro 2008

~chafurdar no blog

 
RSS