Quarta-feira, 16 de Setembro de 2009

Raios partam a Bolsa de Recrutamento e a Contratação de Escola

 
Isto é um desabafo, vá.

 
A senhora ministra bem que diz que arrancou tudo na maior das normalidades, mas eu já pedi um horário há um mês e ainda não tenho o professor. Faltam-me outros dois horários de línguas estrangeiras, e nada. Dos técnicos especializados para os CEFs, ainda me falta um, apesar de termos inserido os dados dos horários na plataforma há cerca de vinte dias atrás. As aulas já começaram e os alunos estão sem esses professores.
 
Esperamos, impacientemente, entre o bater das ondas da DGRHE, que não sabemos em que costa batem, nem a que horas batem, nem que lógica têm.
 
Ou porque os professores não são profissionalizados, ou porque os horários são incompletos, ou porque o céu é azul, ou porque a plataforma enguiçou e os candidatos não conseguem entrar e aceitar a colocação, ou porque não se percebe qual vai ser o próximo passo da DGRHE já que não se consegue chegar à fala com ninguém, acho que tudo contribuiu para este ridículo estado de coisas.
 
Escusadamente. Por trás disto, julgo que estão daquelas mentes obscuramente brilhantes, que inventam tantas regras e reviravoltas que o sistema dá um nó e engonha.
 
Se não há gente na bolsa de recrutamento que chegue para as encomendas, faz algum sentido esperar X dias para que se anuncie que ah e tal afinal não há ninguém e agora já se pode passar para contratação de escola? Mas, estão a gozar com a malta?
 
É que a contratação de escola pode ter uma série de peripécias que provocam sucessivos adiamentos, o que, quando se está numa corrida contra o tempo, com o arranque do ano lectivo e a chegada dos alunos, não é dos melhores contributos para o serviço prestado pela escola. Se um candidato já aceitou outro horário e logo a seguir o seleccionamos para o nosso, é necessário que renuncie ao nosso para que possamos passar ao candidato seguinte. Frequentemente, isto pode arrastar-se por uma semana ou mais, em especial quando os candidatos mudam de telefone e não conseguem actualizar essa informação elementar na plataforma, ficando, assim, incontactáveis.
 
Enfim, uma embrulhada desnecessária.
 
Ao bom estilo de Sócrates, o que importa é fazer – mesmo que seja mal feito – e depois bradar aos quatro ventos que se fez e que correu lindamente – mesmo que não funcione.
publicado por pedro-na-escola às 21:12
link do post | comentar | favorito

~posts recentes

~ E a Terra é plana…

~ A propósito dos melhores…

~ A propósito de oportunida...

~ A propósito das paranóias...

~ Especialistas em educação

~ O que vai ficar por fazer

~ Nuno Crato e a definição ...

~ Mega-Agrupamentos 4 - a p...

~ Mega-Agrupamentos 3

~ Mega-Agrupamentos 2

~ Mega-Agrupamentos

~ O segredo do sucesso nas ...

~ A anedota da vaca

~ Por falar em reduzir as d...

~ Agressividade de autores ...

~ Brincando às competências...

~ Pois, realmente, não foi ...

~ Contas ao número de aluno...

~ Reforço da autoridade dos...

~ Incompetência ao rubro...

~links

~arquivos

~ Julho 2011

~ Junho 2011

~ Maio 2010

~ Abril 2010

~ Março 2010

~ Novembro 2009

~ Outubro 2009

~ Setembro 2009

~ Agosto 2009

~ Julho 2009

~ Junho 2009

~ Maio 2009

~ Abril 2009

~ Fevereiro 2009

~ Janeiro 2009

~ Dezembro 2008

~ Novembro 2008

~ Outubro 2008

~ Abril 2008

~ Março 2008

~ Fevereiro 2008

~ Janeiro 2008

~chafurdar no blog

 
RSS