Quarta-feira, 19 de Agosto de 2009

Titulares - igualdades… ou não!

A propósito do novo concurso para a categoria de professor titular e da prova pública necessária, dá vontade de bater em alguém.
 
Há dois aspectos, nesta nova palhaçada, que, a meu ver, são de realçar:
 
1 – Igualdade de oportunidades
 
Quando as coisas são mal feitas, está o caminho aberto para as injustiças. Neste caso, os primeiros a aceder à categoria de professor titular apenas tiveram que somar uns quantos pontos, num processo administrativo assegurado pelas secretarias.
 
Os próximos, terão que ser sujeitos a uma prova pública só para se poderem candidatar! Esta disparidade, não faz sentido nenhum.
 
Para as coisas serem feitas com o mínimo de lógica, era preciso que os primeiros a aceder à categoria tivessem passado pelo mesmo que os próximos vão passar. Assim, teremos nas escolas dois tipos de professores titulares: os primeiros, sortudos, e os outros, que prestaram prova. Mas, convenhamos que, nesta onda reformista da Educação, pouco há que seja feito com alguma lógica...
 
2 – Objectivo da prova pública
 
No Decreto-Lei n.º 104/2008, que legisla sobre a prova pública e o concurso, pode ler-se assim: “(…) podem requerer a realização da prova pública, que se destina a demonstrar a sua aptidão para o exercício específico das funções de professor titular, concretizando -se na apresentação de um trabalho pelo candidato e respectiva discussão, sobre a experiência do quotidiano escolar vivida no exercício efectivo de funções docentes.”
 
E quais são as funções de professor titular? No mesmo documento, algumas linhas antes, vem tudo explicado: “A categoria de professor titular consubstancia-se portanto no desempenho de funções no âmbito da coordenação, supervisão pedagógica e avaliação do desempenho dos restantes professores (…)”
 
Assim, divagar por escrito “sobre a experiência do quotidiano escolar vivida no exercício efectivo de funções docentes” e, de seguida, discutir sobre essa divagação com um júri, permite demonstrar a aptidão para desempenhar funções de coordenação, supervisão pedagógica e avaliação do desempenho dos outros professores.
 
Vejamos: eu faço um trabalho escrito sobre a minha experiência como professor de Matemática, discuto-o com um júri, e este consegue decidir sobre a minha aptidão para coordenar, supervisionar e avaliar outros professores? Esta gente, que inventa e escreve estas coisas, tem problemas intelectuais… só pode!
tags:
publicado por pedro-na-escola às 13:03
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De linda a 19 de Agosto de 2009 às 15:51
Concordo consigo plenamente. Há dias, uma dessas pessoas que acedeu administrativamente e que há dez anos que não leccionava disse que concordava com a tal prova. Quando lhe disse que não achava justiça alguma na situação, respondeu que "era a vida", uns ganhavam outros perdiam. Portugal está cheio de "chicos espertos" a começar pelos governantes...


De pedro-na-escola a 19 de Agosto de 2009 às 17:14
O nosso tão conformista "é a vida"...


Comentar post

~posts recentes

~ E a Terra é plana…

~ A propósito dos melhores…

~ A propósito de oportunida...

~ A propósito das paranóias...

~ Especialistas em educação

~ O que vai ficar por fazer

~ Nuno Crato e a definição ...

~ Mega-Agrupamentos 4 - a p...

~ Mega-Agrupamentos 3

~ Mega-Agrupamentos 2

~ Mega-Agrupamentos

~ O segredo do sucesso nas ...

~ A anedota da vaca

~ Por falar em reduzir as d...

~ Agressividade de autores ...

~ Brincando às competências...

~ Pois, realmente, não foi ...

~ Contas ao número de aluno...

~ Reforço da autoridade dos...

~ Incompetência ao rubro...

~links

~arquivos

~ Julho 2011

~ Junho 2011

~ Maio 2010

~ Abril 2010

~ Março 2010

~ Novembro 2009

~ Outubro 2009

~ Setembro 2009

~ Agosto 2009

~ Julho 2009

~ Junho 2009

~ Maio 2009

~ Abril 2009

~ Fevereiro 2009

~ Janeiro 2009

~ Dezembro 2008

~ Novembro 2008

~ Outubro 2008

~ Abril 2008

~ Março 2008

~ Fevereiro 2008

~ Janeiro 2008

~chafurdar no blog

 
RSS