Quinta-feira, 16 de Julho de 2009

Os mais bem pagos da UE

 

Educação: Professores portugueses em fim de carreira são os mais bem pagos da UE atendendo ao nível de vida do país
 
Bruxelas, 16 Julho 2009 (Lusa) - Os professores portugueses em final da carreira são os mais bem pagos da União Europeia atendendo ao nível de vida do país, revela um relatório divulgado hoje pela Comissão Europeia em Bruxelas.
 
A edição 2009 dos Dados Essenciais da Educação na Europa apoia-se na análise de 121 indicadores para dar uma imagem do conjunto das tendências mais recentes (a maior parte dos dados utilizados são de 2006/2007) em matéria de organização e de funcionamento dos sistemas de ensino de 31 países europeus (27 da União Europeia mais Islândia, Liechtenstein, Noruega e Turquia.
 
Se o salário bruto de um professor português no início da sua carreira é de 97,3 por cento do PIB per capita (indicador do nível de vida de um país), essa percentagem aumenta para 282,5 por cento no final dos seus anos de trabalho, de longe o valor mais elevado dos países analisados.
 
Para os professores alemães, o país com maior percentagem depois de Portugal, recebem entre 108,9 (início de carreira) e 209,1 (fim de carreira) por cento do PIB per capita, enquanto em Espanha as percentagens são 115,2 e 187,6, respectivamente.
 
O relatório também sublinha o facto de Portugal (juntamente com a Espanha, França, Grécia e Chipre) ser dos poucos países europeus a dar um "estatuto de carreira" com garantia de emprego "para toda a vida".
 
Ao contrário da maior parte dos países, os professores em Portugal têm uma média de idades baixa, o que, segundo um dos técnicos que apresentou o relatório, irá significar que o país terá menos problemas do que outros na renovação dos quadros, para resolver o problema da partida para a reforma.
 
O estudo também sublinha que Portugal aumentou significativamente a percentagem de participação na escola dos alunos com quatro anos, de 14,5 por cento em 1979/80 para 80,64 em 2005/06.
 
Portugal é um dos poucos países europeus - juntamente com Irlanda, Espanha, Luxemburgo - onde se estima que a população de alunos na primária (cinco a nove anos) aumenta entre 2000 e 2010.
 
Em termos gerais, para toda a Europa, a Comissão Europeia considera positiva a tendência de aumento da participação dos alunos de quatro anos no ensino pré-primário, o aumento significativo do número de estudantes no ensino superior e o aumento do período de escolaridade.
 
FPB.
 
Lusa/Fim
tags:
publicado por pedro-na-escola às 23:11
link do post | comentar | favorito

~posts recentes

~ E a Terra é plana…

~ A propósito dos melhores…

~ A propósito de oportunida...

~ A propósito das paranóias...

~ Especialistas em educação

~ O que vai ficar por fazer

~ Nuno Crato e a definição ...

~ Mega-Agrupamentos 4 - a p...

~ Mega-Agrupamentos 3

~ Mega-Agrupamentos 2

~ Mega-Agrupamentos

~ O segredo do sucesso nas ...

~ A anedota da vaca

~ Por falar em reduzir as d...

~ Agressividade de autores ...

~ Brincando às competências...

~ Pois, realmente, não foi ...

~ Contas ao número de aluno...

~ Reforço da autoridade dos...

~ Incompetência ao rubro...

~links

~arquivos

~ Julho 2011

~ Junho 2011

~ Maio 2010

~ Abril 2010

~ Março 2010

~ Novembro 2009

~ Outubro 2009

~ Setembro 2009

~ Agosto 2009

~ Julho 2009

~ Junho 2009

~ Maio 2009

~ Abril 2009

~ Fevereiro 2009

~ Janeiro 2009

~ Dezembro 2008

~ Novembro 2008

~ Outubro 2008

~ Abril 2008

~ Março 2008

~ Fevereiro 2008

~ Janeiro 2008

~chafurdar no blog

 
RSS