Quinta-feira, 7 de Fevereiro de 2008

Para os teóricos da educação

“O céu, o sol, a lua e a terra. Aqui tudo é nosso", afirma, de sorriso rasgado na cara crespada pelo sol de Inverno, Elsa Maria Claro, a mãe da única família que reside em Aigra Velha, a 15 quilómetros da sede do concelho, Góis, em plena Serra da Lousã. Mulher de alma quente e de mãos frias, boas para produzir o queijo de cabra cuja venda garante parte do sustento da família, Elsa Maria diz viver num oásis.
 
"Acordo a ouvir os rouxinóis a cantarem-me à janela, vivo num paraíso natural por opção", afirma a trabalhadora rural que explode de orgulho ao ouvir da boca dos três filhos que este é o lugar onde querem ficar para trabalhar e constituir família.
 
Alexandra, a filha mais velha, é licenciada em Línguas e Relações Internacionais pela Universidade de Aveiro. E só não voltou já para a terra, porque assumiu a responsabilidade de acompanhar os irmãos na cidade até ao final dos estudos. Pedro, de 17 anos, estuda Design de Equipamento. Aos fins-de-semana tem trabalho assegurado numa empresa de animação turística, com sede em Góis, onde é monitor de desportos de aventura.
 
Catarina, também de 17 anos, está a estudar Artes Visuais. Tal como os irmãos, a jovem sonha em regressar rapidamente para Aigra Velha onde pretende aliar-se à equipa que está a desenvolver o projecto da Maternidade de Árvores em Aigra Nova.
 
Contrariando a tendência para abandonar as aldeias serranas por falta de emprego e perspectivas, estes três jovens irmãos anseiam por poder regressar. Os mais velhos já têm propostas de trabalho, a mais nova sente que não será difícil de conseguir. "Quanto mais não seja a dar continuidade ao trabalho feito pelos meus pais na agricultura e pastorícia".
 
André Claro, 47 anos, que não quer ser identificado como o "chefe da família", mas apenas como um elemento de uma casa onde existe apenas uma carteira e a liberdade para que cada um escolha o seu caminho, é o filho mais novo de uma família de quatro irmãos. Foi sempre incentivado pelo pai a estudar, mas optou por se dedicar à pastorícia.
 
Aos dez anos já percorria sozinho a serra com um rebanho de 400 cabeças de gado. Para vigiar as cabras contava com a ajuda de uns binóculos. "Só de pastagens a região dispunha de cerca de 500 hectares", recorda.
 
André Claro nunca deixou de estudar. "Lia tudo o que me aparecia, jornais que os meus irmãos me enviavam de Lisboa, livros e revistas". Ainda hoje tem embrenhado no corpo o bichinho do conhecimento. Participa em acções de formação vocacionadas para a agricultura, pastorícia, apicultura e animação turística. É com frequência convidado para dar formação, participar em palestras e envolver-se em projectos.
 
Elsa Maria, diz que os filhos saíram ao pai, "são inteligentes, têm gosto por aprender e são empreendedores". Por isso, acredita que quando estiverem de volta para a terra, a família vai ficar mais unida do que nunca, expectante e determinada. "Acreditamos que este é o momento para inverter a desertificação", diz. Na aldeia onde há anos vivem sozinhos e na região que, aos poucos, vai dando sinais de revitalização.
in Jornal de Notícias, 3-Fev-2008
 
Para os que têm a mania que o sucesso escolar tem que ver com as condições sócio-económicas. Para os que têm a mania que o sucesso escolar tem que ver com a formação académica dos pais. Para que os que não acreditam que filho de pastor pode ter sucesso escolar e licenciar-se. Para os que não sabem que um pastor pode ser muito melhor educador do que o mais mestre dos mestres na teoria da educação. Para os que inventam a desculpa dos meios desfavorecidos para justificar a incompetência e a inconsciência de milhares de pais e famílias. Para os que ainda não perceberam que a esmagadora maioria das teorias da educação bem que pode ir pelo cano abaixo, porque o que realmente faz a diferença na escola, são os pais! Tudo o resto, são balelas, como se pode comprovar pelo insucesso escolar de que ainda padece o ensino e a educação no nosso país.
tags:
publicado por pedro-na-escola às 09:02
link do post | comentar | favorito

~posts recentes

~ E a Terra é plana…

~ A propósito dos melhores…

~ A propósito de oportunida...

~ A propósito das paranóias...

~ Especialistas em educação

~ O que vai ficar por fazer

~ Nuno Crato e a definição ...

~ Mega-Agrupamentos 4 - a p...

~ Mega-Agrupamentos 3

~ Mega-Agrupamentos 2

~ Mega-Agrupamentos

~ O segredo do sucesso nas ...

~ A anedota da vaca

~ Por falar em reduzir as d...

~ Agressividade de autores ...

~ Brincando às competências...

~ Pois, realmente, não foi ...

~ Contas ao número de aluno...

~ Reforço da autoridade dos...

~ Incompetência ao rubro...

~links

~arquivos

~ Julho 2011

~ Junho 2011

~ Maio 2010

~ Abril 2010

~ Março 2010

~ Novembro 2009

~ Outubro 2009

~ Setembro 2009

~ Agosto 2009

~ Julho 2009

~ Junho 2009

~ Maio 2009

~ Abril 2009

~ Fevereiro 2009

~ Janeiro 2009

~ Dezembro 2008

~ Novembro 2008

~ Outubro 2008

~ Abril 2008

~ Março 2008

~ Fevereiro 2008

~ Janeiro 2008

~chafurdar no blog

 
RSS