Segunda-feira, 4 de Fevereiro de 2008

O ciclo vicioso dos pobres de espírito

Teoria do ciclo vicioso: alunos pobres de espírito, incultos, ignorantes, iletrados, e outras coisas começadas em “i”, tendencialmente juntam-se para constituir família, tradicionalmente aos pares de sexos opostos; em consequência, os descendentes padecerão dos mesmos males, sendo que os progenitores exigirão que assim continuem a tradição familiar, impedindo a sociedade de os transformar em cidadãos cultos, sábios, letrados, críticos, ponderados e por aí fora; na geração seguinte, repetir-se-á a tradição, perpetuando-se a pobreza de espírito.
Medida sábia para quebrar o ciclo: vamos qualificar os pais e os filhos, oferecendo-lhes, de mão beijada e quase que pedindo de joelhos para aceitarem, diplomas de escolaridade; aos pais, são, de facto, dadas oportunidades que nunca tiveram, impensáveis num mundo racional; aos filhos, é enfiá-los em currículos alternativos e milagrosos até serem despejados para a sociedade com um fantástico diploma do 12º ano no bolso, a caixa craniana enferrujada e os valores sociais completamente distorcidos.
Case study único: um jovem é inserido numa turma de currículo alternativo no 7º ano; progride, alegre e divertidamente iletrado, até ao 9º ano; as fantásticas novas oportunidades permitem-lhe saltar para o ensino secundário, novamente numa turma de currículo alternativo, profissional ou não, progredindo animadamente até ao 12º ano, sendo-lhe conferido um incrível diploma de literacia.
Considerações comparativas do case study: ao contrário do que querem fazer crer, o jovem terá, nas mãos, um diploma do 12º ano, mas, na prática, continuará com a mesma ileteracia de que padecia no final do 6º ano; ou seja, casar-se-á com alguém em idênticas circunstâncias e cultura, do sexo oposto, e, juntos, criarão com afinco mais uma geração de iletrados, para que a tradição familiar não se quebre!
Conclusão: após tantos anos na escola, tanto dinheiro gasto com materiais, equipamentos, consumíveis e professores, tanto investimento do dinheiro de todos os nós, tantos números pomposos de qualificação, o ciclo vicioso da pobreza de espírito continuará, firme e hirto; ganham as estatísticas, esse monstro guloso que provoca a cegueira colectiva; ganham os que vivem da espalhafatosa efemeridade das estatísticas; ganham os que vivem da impressionante memória curta do povo.
publicado por pedro-na-escola às 09:21
link do post | comentar | favorito

~posts recentes

~ E a Terra é plana…

~ A propósito dos melhores…

~ A propósito de oportunida...

~ A propósito das paranóias...

~ Especialistas em educação

~ O que vai ficar por fazer

~ Nuno Crato e a definição ...

~ Mega-Agrupamentos 4 - a p...

~ Mega-Agrupamentos 3

~ Mega-Agrupamentos 2

~ Mega-Agrupamentos

~ O segredo do sucesso nas ...

~ A anedota da vaca

~ Por falar em reduzir as d...

~ Agressividade de autores ...

~ Brincando às competências...

~ Pois, realmente, não foi ...

~ Contas ao número de aluno...

~ Reforço da autoridade dos...

~ Incompetência ao rubro...

~links

~arquivos

~ Julho 2011

~ Junho 2011

~ Maio 2010

~ Abril 2010

~ Março 2010

~ Novembro 2009

~ Outubro 2009

~ Setembro 2009

~ Agosto 2009

~ Julho 2009

~ Junho 2009

~ Maio 2009

~ Abril 2009

~ Fevereiro 2009

~ Janeiro 2009

~ Dezembro 2008

~ Novembro 2008

~ Outubro 2008

~ Abril 2008

~ Março 2008

~ Fevereiro 2008

~ Janeiro 2008

~chafurdar no blog

 
RSS