Sexta-feira, 23 de Abril de 2010

Reforço da autoridade dos professores

 

Reforço da autoridade dos professores

O Conselho de Ministros de 22 de Abril aprovou uma Proposta de Lei - alterando o Estatuto do Aluno - que visa criar condições de maior segurança, tranquilidade e disciplina na escola, através do reforço da autoridade dos directores, dos directores de turma e dos professores. Introduzem-se mecanismos de prevenção de situações que prejudiquem o normal funcionamento da escola e adoptam-se, em casos mais graves, medidas que assegurem aos envolvidos um adequado acompanhamento.

in http://www.portugal.gov.pt (22-04-2010)

 

À medida que o tempo passa, e as experiências se acumulam, mas creio que, nem o “problema” da Educação em Portugal se resolve localmente nas escolas, nem um pretenso reforço da autoridade dos professores (ou dos directores) fará diminuir a indisciplina.

 

Aos anos que andamos a brincar às soluções locais e às autoridades. Novo governo, nova brincadeira. Se as coisas não melhoram, apesar de algumas tentativas de maquilhagem, é de se pensar que não é com soluções locais na escola, nem com alterações na autoridade dos professores, que vamos ter uma mudança do rumo da Educação no nosso país.

 

A meu ver, ou o Estado se impõe, ou a inclinação do plano nacional é sempre em descida.

 

E o que é isto de o Estado se impor?

 

É, em vez de “criar condições de maior segurança, tranquilidade e disciplina na escola”, dar um murro na mesa e decretar, de uma vez por todas, que a escola é um espaço seguro, tranquilo e disciplinado, com todas as consequências para os que contrariem essa linha.

 

É, em vez de se introduzirem “mecanismos de prevenção de situações que prejudiquem o normal funcionamento da escola”, mostrar que as situações prejudiciais não são toleradas e que há consequências duras para os prevaricadores. O receio de consequências duras tem um efeito dissuasor muito superior ao da prevenção mole.

 

É, em vez de alinhar no discurso de que os profissionais de educação devem saber lidar com a indisciplina (como se fosse tão importante haver indisciplina como ensinar-se Matemática), ser intolerante para com todo e qualquer vislumbre de indisciplina.

 

É, em vez de passar a mensagem de que a Escola é um local para se frequentar, sem qualquer dever, impor claramente que a Escola é um local para ensinar e aprender!

 

Ainda estamos longe de ver o Estado a impor-se. O Estado Português é, com o devido respeito, um Estado banana… na Educação, deita pérolas aos porcos e esbanja recursos, sem exigir o que quer que seja em troca dos milhões que gasta.

tags:
publicado por pedro-na-escola às 18:01
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 21 de Abril de 2010

Incompetência ao rubro...

Ontem, dia 20 de Abril, liguei pela segunda vez para a DGRHE, para que esclarecessem como é que os professores deviam registar as classificações qualitativa e quantitativa das suas avaliações de desempenho, uma vez que havia muitos casos em que uma coisa não batia certo com a outra, graças a um regime de avaliação sem pés nem cabeça.

 

Na primeira vez, na semana passada, informaram que já tinham remetido o problema superiormente, aguardando-se resposta.

 

Ontem, uma voz cheia de certezas, como quem já repete a mesma lenga-lenga pela N-ésima vez, respondeu-me que se um professor teve 9,5 e Bom, deve registar na aplicação do concurso um 7,9 e Bom, pois, segundo um tal artigo 14º, o que importa é a classificação qualitativa.

 

Ou seja, o candidato regista uma informação falsa na aplicação do concurso! Ainda tentei questionar a voz sobre a situação que se coloca também à escola, uma vez que, assim sendo, a escola iria validar uma informação falsa! Mas a questão foi habilmente (tipo cassete, vá) chutada para fora de campo, repetindo-se a lenga-lenga de que o que interessa é a classificação qualitativa e o artigo 14º e blá blá blá…

 

Um dia depois, parece que, afinal, já não é bem assim e tal...

 

Não me ocorre outra palavra senão… incompetêntia!…

publicado por pedro-na-escola às 14:10
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 17 de Abril de 2010

A brincalhona, os papéis e o factor de progresso

“Temos sempre defendido que a avaliação é um factor de progresso. Os professores, ao saberem que vai ser reconhecido o seu esforço e o seu mérito, naturalmente que investem mais e melhor, porque isso é humano”. Palavras de Isabel Alçada.

 

Ainda acham simpático o sorriso da Ministra da Educação?

 

Há, nestas baboseiras de Isabel Alçada, um conceito pateta associado a uma dimensão paralela e distante: o reconhecimento do esforço e do mérito!

 

É um conceito pateta porque, na realidade, o esforço e o mérito não são efectivamente medidos, partindo do princípio que estamos a falar do “esforço” por se tentar ser um excelente professor e do “mérito” por se ser um excelente professor. Excelente, ou muito bom, tanto faz.

 

A única coisa que a actual avaliação de desempenho dos professores mede, realmente, é o esforço para preparar e preencher uns quantos papéis! É o chamado “investimento no papel”. Um investimento apreciado por Isabel Alçada, note-se. Num país atrasadinho, como é o nosso, o papel parece que é o que mais importa. Tristes de nós.

 

Nas escolas portuguesas, o único factor de progresso real seria a intolerância da indisciplina!

 

Porquê? Temos os recursos humanos e materiais necessários. A nível curricular, pode dizer-se muita coisa, mas os países que estão no topo a nível de Educação, têm grandes diferenças ao nível do currículo. Uns têm alguma avaliação de desempenho, outros nem por isso. O que estes países têm em comum, que Portugal não tem, é a intolerância para com a indisciplina. Andamos a brincar, a querer copiar modelos daqui e dali, mas não queremos copiar aquilo que é basilar, que todos têm e nós não temos. Curioso, digo eu. Um passo que ainda estamos bem longe de dar. 

 

publicado por pedro-na-escola às 10:14
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 13 de Abril de 2010

De mansinho…

As escolas da área de abrangência da DREC acabaram de receber, por e-mail, o aviso de abertura das candidaturas pedagógicas aos cursos CEF para o próximo ano lectivo.

 

Há dois aspectos, neste aviso, que me chamaram à atenção:

 

1. “Nesta conformidade, alertam-se as entidades promotoras/formadoras para o cumprimento rigoroso dos procedimentos exigidos para o ingresso de jovens nestas ofertas formativas (pontos 2 e 3 do Despacho Conjunto n.º 453/2007, de 27 de Julho).”

 

2. “Mais se informa que as candidaturas inseridas na Plataforma SIGO deverão respeitar os acordos negociados entre os respectivos estabelecimentos de ensino, nas reuniões da rede escolar. Não serão aceites/analisadas as candidaturas que não se encontrem em conformidade com os mapas de rede apresentados no seguimento das referidas reuniões.”

 

Pode apertar-se facilmente o cerco ao tipo de alunos que entram nos CEFs. Basta que o director regional deixe de autorizar o ingresso de alunos com menos de 15 anos, por carecerem de fundamentação sustentável, por exemplo. Ou que se faça um crivo mais rigoroso na distinção de quais são os alunos que, de facto, estão em risco de abandono escolar.

 

Quanto às reuniões da rede escolar, há um pormenor estratégico interessante. A criação de turmas CEF e PCA é frequentemente feita um pouco em cima do joelho, dependendo do aproveitamento dos alunos no final do ano, do destino que os pais vão desejar dar aos filhos, do número de alunos interessados em matricular-se, etc. Por vezes, há 9 alunos interessados e é preciso andar a correr as aldeias para arranjar um décimo e assim se conseguir completar o número mínimo de alunos para a turma abrir – um processo que ocorre durante o verão. Em muitos casos, uma escola candidata-se a X turmas de CEFs, em Abril, com a consequente candidatura ao POPH, mas só em finais de Agosto saberá quantas destas turmas conseguirá abrir, porque dependerá de conseguir os alunos necessários.

 

Ora, a reunião da rede escolar é anterior às candidaturas aos CEFs, pelo que esta intransigência da direcção regional em se recusar analisar qualquer candidatura que vá além do que foi acordado para a rede, mais parece uma rasteirinha de mansinho para impedir o aparecimento de mais algumas turmas de CEF. Se dantes havia um incentivo à criação deste tipo de turmas, parece que agora vai começar a caminhar-se no sentido oposto. De mansinho, claro. É provável que saia, em breve, legislação para aumentar o número mínimo de alunos para constituir uma turma de CEF, por exemplo.

tags:
publicado por pedro-na-escola às 18:21
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 12 de Abril de 2010

Milagres…

Notícia no Jornal de Notícias, em www.jn.pt (12Abr2010)

 

Educação e formação recupera 30 mil jovens

 

Medida dá competências escolares e sociais para afastar da exclusão.

 

Dez mil pessoas vão participar na estafeta "Pobreza e Exclusão: Eu Passo!" que começa amanhã, correndo 1800 quilómetros em 30 dias e divulgando o Programa Integrado de Educação e Formação (PIEF), que abrangeu 30 mil jovens em situação ou risco de exclusão.

 

Iniciativa do Programa da Inclusão e Cidadania (PIEC), a estafeta (ver "caixa" com pormenores") mobiliza 142 grupos-turma da Medida PIEF, frequentada, no ano lectivo em curso, por 2130 jovens entre os 15 e os 18 anos.

 

Recorde-se que o PIEF, lançado há dez anos como instrumento de combate ao abandono escolar e ao trabalho infantil, pretende favorecer o cumprimento da escolaridade obrigatória associada a uma qualificação profissional para jovens entre os 16 e os 18 anos em situação ou em risco de exclusão social que não concluíram a escolaridade obrigatória (9.º ano).

 

Para muitos, "é a última oportunidade, sem a qual a situação seria passagem à delinquência", observa a coordenadora nacional do PIEC, Fátima Matos. Mas não é a solução de fim de linha, assegura, porque para muitos tem garantido a reintegração no ensino regular e até o prosseguimento de estudos para o ensino superior.

 

Integrado em grupos-turma de pequena dimensão (15 alunos) e heterogéneos (com histórias de vida diferentes e um dos três primeiros ciclos por completar - e há muitos sem o primeiro), cada aluno tem um plano de educação e formação (PEF) próprio e individualizado, tendo em conta aspectos como idade, interesses e necessidades de inserção social e escolar.

 

Além da certificação escolar célere (dois anos para concluir o 3.º ciclo do ensino básico), o plano procura assegurar actividades complementares de desenvolvimento de competências de carácter vocacional.

 

"É uma medida muito especial porque é uma espécie de fato à medida de cada um", comenta Fátima Matos, que classifica como "muito positivas" as "consequências na vida dos jovens, sobretudo ao nível das competências para a vida e a integração plena, adquirindo autonomia e tornando-se capazes de procurar emprego".

 

Dos cerca de 45 mil jovens sinalizados, nomeadamente pelas comissões locais de protecção de crianças e jovens, até 2008 (oito anos de vigência), cerca de 30 mil foram encaminhados para a medida PIEF. Muitos não tinham concluído sequer o 1.º ciclo, tendo abandonado o ensino precocemente. Um problema que ainda hoje se sente: calcula-se que todos os anos 10 jovens saiam do sistema antes de concluir a escolaridade obrigatória.

 

Segundo a última avaliação da medida PIEF, em 2008, a taxa de êxito, isto é, a percentagem dos alunos que obtiveram a certificação escolar do 9.º ano de escolaridade, era de 60%. As suas áreas de formação vocacional preferencial repartiam-se entre a mecânica, auxiliar de educação, geriatria, electricidade, informática, estética/cabeleireiro, jardinagem e restauração.

 

Uns foram encaminhados para a formação profissional, outros regressaram ao ensino regular e houve quem prosseguisse para o ensino superior, atesta Fátima Matos, embora não tenha dados estatísticos. Só na próxima avaliação, o PIEC deverá aferir quantitativamente os resultados concretos na vida dos alunos, que continua a ser acompanhada por equipas multidisciplinares.

 

É um facto que nunca tive contacto com alunos de uma turma PIEF. Mas, pelo que dizem os meus colegas que já tiveram a experiência, é coisa bem mais “pesada” que os CEF, devido ao calibre dos alunos em questão.

 

Desagrada-me profundamente o modo de operar desde jornalismo, que dá como factos aquilo que não são mais do que mensagens de propaganda: “Educação e formação recupera 30 mil jovens” e “Medida dá competências escolares e sociais para afastar da exclusão”. Se 30 mil foram encaminhados para o PIEF, mas só 60% tiveram êxito, não consigo vislumbrar a recuperação anunciada… Quanto às competências, bem, está na moda, tudo o que tiver a palavra “competência” misturada é sinal de modernidade e ai de quem duvidar!

 

Mas é bom que agora comece uma campanha de propaganda dos méritos obscuros das medidas educativas da última década, como que a anunciar que, se o que até aqui foi feito teve excelentes resultados, é porque há que continuar a inventar coisas novas e tal. A Educação sai cara, mas, com o devido jeitinho, pode-se fazer a coisa por muito menos dinheiro, enquanto ninguém der por nada nem se queixar… a ver vamos!

tags:
publicado por pedro-na-escola às 21:45
link do post | comentar | favorito

A brincadeirinha da avaliação

Liguei hoje para a DGRHE, para pedir um esclarecimento sobre a aplicação dos concursos, no item da avaliação de desempenho. Nos casos em que, por causa das quotas, a avaliação qualitativa não corresponde à avaliação quantitativa, a aplicação não permite que uma coisa não bata certo com a outra. Alguém que teve 8,9 mas ficou com Bom, não pode inserir os 8,9 mas sim 7,9 que é o limite máximo do Bom.

 

Num país civilizado, se 8,9 corresponde a um Muito Bom, é com Muito Bom que se fica... ah, claro, Portugal é cada vez menos um país civilizado... está cada vez mais cheio de bichos e entregue aos bichos...

 

Da DGRHE responderam que ah e tal, já receberam vários pedidos de esclarecimento sobre o mesmo assunto, de professores e de escolas, mas que não têm resposta para dar, uma vez que remeteram a coisa superiormente... ficamos a aguardar, então, que alguém superiormente tenha a amabilidade de esclarecer o povo...

 

Pode ser um mero problema técnico da aplicação informática, ou... o resultado da brincadeirinha da avaliação...

 

Já agora, parece que a aplicação apenas deixa apresentar a avaliação quantitativa com uma casa decimal, o que quer dizer que o candidato com duas casas decimais fica sem saber se arredonda para uma casa decimal ou se simplesmenta trunca a coisa.

 

Para os colegas que, cada vez mais, começam a ver desaparecer a luz ao fundo do túnel, isto não começa nada bem...

 

E nunca é demais relembrar que Isabel Alçada ainda não soltou os cães... quanto abrir o abate às turmas PCA e CEF e às escolas do 2º e 3º ciclos mais pequenas, aí é que vamos ver o que é bom para a tosse quando as vagas para leccionar caírem abruptamente... 

publicado por pedro-na-escola às 17:42
link do post | comentar | favorito
Domingo, 11 de Abril de 2010

Carta branca para os disparates

Artigo no Público (10Abr2010):

 

Professores nos EUA são cada vez mais pressionados. E não gostam.

 

Quando em meados de Março foi anunciado no estado de Rhode Island que todos os professores do Central Falls High School, uma escola do ensino secundário, seriam dispensados no final do ano lectivo, muitos espantaram-se com a atitude do Presidente dos EUA. Barack Obama não só concordou com a decisão como considerou que o mesmo deveria passar a ser feito em todas as escolas que não conseguissem lidar com o insucesso persistente dos alunos.

 

Na altura, Randi Weingarten, presidente da Federação Americana dos Professores (AFT, na sigla em inglês), lamentou que os professores fossem "o bode expiatório" do sistema.

 

Os estados têm apostado cada vez mais em medidas de apoio à formação e avaliação dos professores como forma de conseguir que os alunos tenham melhores resultados. E a pressão sobre os docentes é cada vez maior. A lógica é esta: se o professor for de qualidade não há razão para que os alunos abandonem a escola ou tenham maus desempenhos.

 

O controlo de qualidade começa nas escolas superiores de educação. Como não há um currículo único no país, nem uma só maneira de ensinar os futuros docentes, o Conselho Nacional de Acreditação da Formação dos Professores (NCATE) faz a acreditação voluntária dos cursos. Mais de 600 instituições têm as suas formações acreditadas, cerca de uma centena já se dispuseram a pedir a acreditação. A NCATE avalia os programas e confirma se os mesmos são realmente adequados às disciplinas pelas quais os futuros docentes serão responsáveis, explica Jane Leibbrand, assessora de imprensa da NCATE, em Washington DC.

 

Barbara Madeloni, professora da Escola de Educação de Amherst, na Universidade de Massachusetts, admite: a maioria dos profissionais são "brancos convencidos de que vão ensinar crianças com o mesmo background deles". Ora o que se pretende é que os futuros professores saiam das escolas superiores com formação que lhes permita enfrentar qualquer tipo de turma.

 

Salários e sucesso

 

Por isso, a NCATE - entre os seus membros estão os sindicatos dos professores - também avalia se a escola prepara os futuros profissionais para a diversidade e para a promoção de boas práticas em sala de aula, como por exemplo o uso das tecnologias e de outros recursos que ajudem o aluno a ter sucesso, continua Jane Leibbrand.

 

A funcionária da NCATE admite que o ensino mudou muito nos últimos 30 anos: a profissão era mais estável e também mais atractiva em termos monetários. Actualmente, só em Washington, oito em cada dez professores saem do sistema ao fim de três anos de carreira. Os docentes preferem demitir-se ou antecipar a reforma a serem despedidos, porque se tal acontecer jamais poderão regressar à carreira, explica Rob Weil, director do departamento de assuntos educacionais da AFT.

 

Não é fácil ser professor nos EUA, que o digam os docentes da Florida, do Tennessee ou do Delaware, três estados que já votaram leis que prevêem que a remuneração e a progressão na carreira estejam directamente relacionadas com os resultados académicos dos alunos.

 

Na Florida, a lei foi aprovada pelo senado no final de Março, deixando alguns preocupados com as futuras repercussões que ela terá. Frederica Wilson, senadora democrata, receia que a legislação venha a prejudicar os alunos com piores resultados, pois os professores poderão, simplesmente, não querer trabalhar com eles, noticia o Daily News.

 

Apesar da contestação, esta é, contudo, uma medida cara ao secretário de Estado da Educação Arne Duncan e ao Presidente Barack Obama, que defendem que uma das formas de avaliar os professores deve passar, precisamente, por analisar os resultados da evolução dos seus alunos.

 

Aliás, a ideia é ir ainda mais longe. No âmbito das mudanças propostas para a Elementary and Secondary Education Act (legislação que existe desde 1965), que a Administração democrata prevê que sejam aprovadas até ao final do ano, Obama propõe que, em cada estado, os cinco por cento de escolas com piores resultados possam ser encerradas.

 

Numa primeira fase, e segundo as propostas que estão em cima da mesa, devem ser tomadas todas as medidas que evitem o encerramento. Para começar, o director e metade do corpo docente pode ser demitido, a escola pode reabrir com nova direcção ou como charter school (com gestão privada, financiada pelo Estado, onde os professores não podem ser sindicalizados) e deve criar soluções para recuperar os alunos. Mas se, passados dois anos, nada disto resultar, a solução passará pelo fecho das portas.

 

O impacto da crise

 

Esta proposta não tem o apoio dos sindicatos nem existe investigação científica que permita confirmar que os professores vão conseguir obter resultados com estas medidas, refere Hanna Mawhinney, investigadora na Universidade de Maryland, especialista em política educativa e liderança.

 

"Não é através dos despedimentos que se melhora o sistema. São necessários outros métodos de avaliação do sucesso dos alunos", defende. Mas, para isso, é preciso mais dinheiro, para mudar os exames e as provas escritas, por exemplo, acrescenta.

 

A crise económica tem tido grande impacto no investimento na educação. O desafio é fazer mais com menos dinheiro e este tem-se revelado difícil de ultrapassar. Os professores têm sido os primeiros a sentir a recessão através do lay-off. Com a redução do número de professores nas escolas, no Illinois surgiu mesmo a ideia de a semana escolar passar a ser de apenas quatro dias.

 

Na Califórnia a demissão dos professores tem levado ao aumento do número de alunos por turma (mais de 35), bem como à redução da oferta escolar, deixando apenas as disciplinas consideradas fundamentais, revela Joel Packer, do Comité para o Financiamento da Educação, uma organização que faz lobby para que o investimento federal aumente, em nome da qualidade do ensino.

 

Avaliação entre pares

 

Por outro lado, a crise também tem aberto a profissão a mais pessoas, gente que antes estava na indústria ou fazia investigação e que ficou sem trabalho. A maior parte dos estados prevê um exame de admissão à profissão para todos, mesmo para os que têm uma formação na área da docência.

 

Antes de dar aulas todos os candidatos têm que tirar uma licença que é válida apenas no estado onde foi tirada, o que significa que se quiserem mudar para outro terão de fazer novos exames, pelos quais terão que pagar - bem como as formações propostas pelos departamentos de educação, como acontece em Springfield, Massachusetts, onde, depois de ser admitido na profissão, o professor tem que repetir as provas de cinco em cinco anos.

 

De resto, também a avaliação dos professores varia de estado para estado e no interior de cada um. No condado de Wake, na Carolina do Norte, o Departamento das Escolas Públicas analisa os resultados dos alunos e observa as aulas dos professores. Quando os resultados são muito consistentes é pedido a esse docente que partilhe o seu segredo com os outros profissionais do condado. Para isso, as suas aulas podem ser filmadas e divulgadas, explica Michael H. Tally, do Departamento das Escolas Públicas.

 

Apesar de não haver estudos, o responsável avança que, por vezes, existe o "efeito escola", ou seja, um professor novo consegue bons resultados porque os "veteranos" o ensinaram ou apoiaram.

 

Também em Springfield os professores são avaliados de dois em dois anos através da observação das aulas, os avaliadores têm a responsabilidade de indicar em que áreas o docente precisa de melhorar e a escola dá 15 dias úteis para o professor cumprir essas recomendações.

 

No condado de Montgomery, em Maryland, foi o próprio sindicato que criou um sistema de avaliação e assessoria aos professores. A Associação de Educação do Condado de Montgomery, assim se chama o sindicato, tem mais de 12 mil sócios que leccionam cerca de 140 mil alunos, com grandes disparidades económicas, diz Christopher Lloyd, responsável pela avaliação do sindicato. Em vez de combater o sistema, este organismo decidiu que cabe aos professores avaliarem-se entre si. A associação tem docentes destacados que só fazem avaliação e formação aos restantes.

 

Uma coisa é certa, independentemente das especificidades dos sistemas educativos de cada estado, a Administração Obama está sensível ao impacto da crise. E ela fez-se sentir em quase todas as escolas do país. Essa é uma das razões pelas quais o Governo Federal tem procurado injectar dinheiro num sistema onde é o financiamento local aquele que tem maior peso. A última iniciativa chama-se Race to the Top e propõe aos estados a adopção de medidas de combate ao insucesso e abandono escolar, a troco de financiamento extra.

 

Concorreram 41 estados mas, na primeira fase, apenas o Delaware e o Tennessee conquistaram uma fatia de 600 milhões de dólares. Falta ainda distribuir 3,4 mil milhões e o secretário de Estado Arne Duncan prevê que 10 a 15 estados possam dividi-los entre si. Os resultados só serão conhecidos em Setembro.

 

A jornalista viajou a convite do Departamento de Estado dos EUA e a viagem foi financiada pela Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento

 

Junto a isto uma suposta declaração de Teodora Cardoso (actual presidente do conselho directivo da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento), no Jornal de Negócios de 17 Julho de 2006: “A desculpa para os maus resultados que consiste em atribui-los a meios desfavorecidos de onde os alunos são oriundos é o pior sinal de uma escola que não reconhece que uma das suas responsabilidades fundamentais consiste precisamente em atenuar essa diferença. “

 

Esta senhora aparece com demasiada frequência em eventos organizados pelo Partido Socialista, mas também é certo que tem o direito de ser convidada e de aceitar os convites.

 

Fica-me é aquela sensação de que este passeio da jornalista Bárbara Wong mais parece uma encenação bem planeada para fazer chegar uma certa e determinada mensagem a Portugal. Uma espécie de carta branca para todo o tipo de disparates que se seguirão em breve, no capítulo da Educação. Se nos EUA fazem assim, é porque é bom, logo também vamos fazer. Não esqueçamos que há uma lista de 300 escolas básicas do 2º e 3º ciclos para abater muito em breve…

 

publicado por pedro-na-escola às 12:24
link do post | comentar | favorito
Sábado, 10 de Abril de 2010

A Educação em dois papéis

Ao Estado cabe definir o papel da Escola Pública.

 

Há duas opções simples para esse papel.

 

Opção A

A escola é um local para ser frequentado. Está naturalmente vocacionada para se ensinar e se aprender, mas não tem que ser necessariamente assim. Pode ser apenas um local para se passar o tempo. Na prática, não há deveres. Os alunos que quiserem aprender, podem fazê-lo, mas a isso nenhum é obrigado. Aliás, não há grandes obrigações, para além de estar presente, e mesmo isso… enfim! As aulas são para se “ir”. Está consagrado o direito de o aluno fazer o que quer e lhe apetece, dentro e fora da sala de aula. A indisciplina dentro da sala de aula é uma forma de o aluno chatear o professor. Um aluno também pode ser bem disciplinado, bem educado, respeitador, cumpridor, etc., embora isso não lhe traga grande benefício. Se aos alunos não é exigido praticamente nada, aos respectivos pais também não, pelo que não há necessidade real de estudar, de trabalhar, de estar atento, de respeitar os outros, de aprender, de ouvir.

 

Opção B

A escola é um local para aprender. Sem margem para dúvidas ou outras interpretações. A obrigação dos alunos é aprenderem e cumprirem os seus deveres, o que quer dizer que são obrigados a contribuir para que haja condições efectivas para que as aprendizagens aconteçam. Ou seja, as regras básicas das salas de aula são para cumprir, assim como todos os deveres constantes no Estatuto do Aluno. Porque a escola tem um papel para cumprir, o Estado é severo para com quem tenta impedir que esse papel seja feito nas melhores condições. Os sabotadores, ou não cumpridores, são sempre chamados à responsabilidade e penalizados, porque lesaram o Estado.

 

Os sociólogos defendem a opção A com unhas e dentes. Os psicólogos, também. A maior parte das famílias, também. Os especialistas em Ciências da Educação, também. E os políticos? Esses, continuam a fazer as vontadinhas e a perpetuar a opção A. Assim seja!

publicado por pedro-na-escola às 15:50
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 9 de Abril de 2010

Porrada nos putos

Em vários blogs apareceu a referência a um artigo britânico, no qual um secretário de estado afirma a possibilidade de os professores poderem usar força física em certas situações.

Teachers can use physical restraint, says Ed Balls

O que achei mais extraordinário, foram os comentários deixados pelos leitores, alguns dos quais transcrevi abaixo. A indisciplina, a falta de regras e a anarquia quase generalizada, afectam muitos países. Portugal incluído.

É incrível como há uma aceitação global de que os meninos têm direito a serem indisciplinados, a impedirem os outros de aprenderem, a agredirem verbal e fisicamente quem lhes apetece, a desrespeitarem tudo e todos, a destruírem propriedade alheia, etc. E o próprio país é impotente para aplicar a mais básica medida, que seria o princípio do fim: dizer basta!

 

sneekyboy

What an excellent idea. Teachers can use force on pupils.

It's probably not going to do any good to the ones that have already tried and lost their jobs but hey, at least there will be guidelines (which I hope are very clear and easy to follow).

I can just see it being another mine field teachers have to navigate. But if the government issues them all with tazers then they wont even have to touch the unruly children and can just sit back and taze them from the comfort of their own chairs. That would probably make teaching more appealling too.

All in all it's nice thoughts but its nothing unless teachers are given the proper legal back up they deserve!

 

JamesGreenhalgh

Taking us back to the 1980s, typical nasty party nonsense. Exactly what we've come to expe...

Oh wait, wrong thread, wrong bias, wrong paper. Excuse me.

 

BleakAcreBite

This just seems like a cynical populist measure to try and attract votes before the election.

As Sneekyboy says, in practice this will be a legal minefield and local education authorities will probably just impose their own policies anyway. Which will be designed to avoid litigation.

The Government needs to stop tinkering with education and set up an independent body of people who are experts in the field to decide school curriculum and policy.

 

blakkbeautie

...what we come to expect from bully boy Balls...lets just bully the kids into behaving, and set ourselves up for the increase in violence within schools towards staff. The argument kids are using more and more these days is,' you get to do that so why shouldnt I?' whether it is regarding uniform, bringing hot drinks into class or, I can envisage, assault, in their eyes.

All i know is my job gets harder year after year and behaviour and poor attitude is getting worse and worse. This latest wheeze, however is not the answer.

 

JunkkMale

It's probably not going to do any good to the ones that have already tried and lost their jobs but hey, at least there will be guidelines (which I hope are very clear and easy to follow).

 

BleakAcreBite

This just seems like a cynical populist measure to try and attract votes before the election.

B...BB... BUT... it's the 'right thing to do!', even if no lessons (at least any that might be of value to anyone) have been learned.

I heard that on TV, so it must be true.

 

MissGlenghis

Actually, those are things that characterise the teaching force today, not twenty years ago.

 

Sadist

Ed Balls clearly has no experience of difficult children in the classroom so why is he handing out advice?

I think he should stick to what he knows best, undermining Alistair Darling and filling in his Expense claims.

 

freddypaddy

Ed balls gives us his blessing to restrain unrully children. At the end of the day if you have no discipline in children then you will have no respect. If you allow children to behave in this way then you are commiting an offence by not looking after their safety. In this case you should not be allowed to look after children. As Balls is in charge of Schools he in my opinion should be removed from his post and charged with the lack of responsability and the safety and welfare of children in his care.

 

belajus

I often wonder how much experience people commenting have of the things hey comment on, not much I'm guessing.

Where are these examples of teachers that have lost their jobs having used reasonable force in situations justifying it? This isn't about "bullying" - very often it's about using physical force to keep children safe. The 'don't touch me' culture is wrong and largely formed because of supposed risks of litigation which much like the reluctance to undertake school trips have little actual basis.

Sadly I agree that whatever is said, local authorities will likely still keep their own nonsense policies in place.

 

Buzzzy

Too late. Many experienced teachers have packed their bags and resigned or taken early retirement. The damage has been done and ignored by Labour's conspiracy to wreck education. Balls should spend a few days working within inner city schools and witness the sad state of UK education where pupil indiscipline and pupil aggression stops teachers doing their job.

 

crinklyoldgit

The suggestion by Ed balls is very unhelpful. Anyone can understand the great temptation to intervene when a child behaves badly but the reality is that the majority of children now believe themselves to be entitled to their bad behaviour in retaliation for whatever offence they believe has been committed against them , and therefore immune to physical restraint or intervention from authority figures such as teachers. If Balls is followed, eventually a situation will arise where a teacher will intervene and a child will retaliate or the teacher and /or child will become embroiled with lethal or serious force, either for the teacher, the child or a bystander. It is clear that Balls does not understand the absolute loss of control and total withdrawal from rationality, or the unmitigated malice which some children and teenagers are capable of in a school setting.

Having set off many years ago down the road of tolerating the intolerable in our schools,( if you want to achieve any learning), we are now stuck with trying to resolve the consequences by reducing conflict in other ways. The number of occasions when I have seen dangerous situations helped by a physical intervention are vanishingly small. Even the mildest physical contacts can turn into legal minefields which cost people their livings, goodwill and peace of mind, and cost a small fortune in legal fees and organisational time and disruption. Nearly always we have to to step back and try to minimise the damage with calm and responsible behaviour rather than being sucked into a potentially more emotional and dangerous position.

When I hear a minister stating such a message it is truly depressing as it reveals the depths of populist drivel that supposedly responsible politicians will sink to, to try to boost their chances of surviving their coming ordeal by ballot box.

 

parentsoutloud

In the end I could not listen to Balls any longer I have a real problem with him using time talking to techers for his election campaigning . I know as well as any teacher ,I am a parent activist and have been for for 25 years, guidelines are not worth the paper they are written on and Balls nor any other quango will support teacher when a complaint is made. It must be made clear to all parents the schools rules on physical restraint when the pupil joins the school and if necessary they need to sign up to these rules. It is not just the classrooms where there is a problem but then a Secretry of State who finds pupils wearing stab proof vest to school acceptable and has allowed over the last 3 years the drug culture to circulate freely in some schools and certainly out in the streets, does not deserve to be in post anyway. It is time we as a nation supported our teachers and got our heads out of the sand. If we can raise so much energy to stop people smoking etc how come we cannot give our children some rules to live by and enforce them throught parents. Bring back behaviour units and pupil referral units and clean up the drug and drink problem for many teenagers then we may start to help techers and other pupils who want to learn

 

sneekyboy

Here is one very recent example of a teacher losing their job.

Lifted from the Watford Observer.

Sacked Watford teacher Martin Elvin appeals decision

3:38pm Wednesday 31st March 2010

A popular teacher who was controversially sacked from a Watford school has appealed against the decision.

Science teacher Martin Elvin was sacked from Westfield Community Technology College after allegedly pushing a teenage student into a door.

After nine months? suspension he was dismissed earlier in the month by a disciplinary committee of school governors ? much to the ire of supporters, some of whom had protested outside the school demanding his reinstatement.

Sources close to the case say Mr Elvin, who is not allowed to discuss the case, has now lodged an appeal, which will be heard by another panel of school governors.

If unsuccessful he has the option to appeal at an employment tribunal.

Hertfordshire County Council said it could not confirm whether or not an appeal had been lodged.

I'm sure that there will be more but this is just to highlight that it is a problem.

 

jockrock

Ed Balls should spend more time studying all the PC crap legislation hisparty has passed into law before he opens his large incompetent mouth,any teacher laying a hand on a child is subject to police intervention and almost certainly at least a verbal warning,labour and its love of control is the largest problems to education and the NHS in this country,their obsesion with red tape and statistics have relegated teaching and health care as secondary to filling in forms ,Balls like his mentor Brown is nothing but a shallow bully who cannot see beyond his gigantic ego.

 

defhadenough

Just more pre Election blah blah from the Balls Boy. After a decade of tinkering with the Education system and releasing into Society under educated , socially deprived children who are now parent(s) of schoolchildren it is too late. Just one the factors contributing to Broken Britain.

Here is a suggestion. Let Mr B spend some time standing in for a Teacher in a school / class not of his choosing. I think the experience might do him some good.

 

oldandrew

"Many of the things you hear about social work ? about demoralisation on the front line, the gap in understanding between management and professionals, having to leave frontline practice to be promoted ? those are many of the things that characterised the teaching profession of 20 years ago," he said.

How out of touch is this man? Does he really not have a clue what's going on in our schools? Does he think teachers are happy with the situation now? Behaviour is appalling. We have ridiculous teaching methods forced on us through observations and inspections. Paperwork is ridiculous.

Teaching blog here.

 

happyinspain

I agree wholeheartedly! Although I don't like this expression it is apt enough here; 'don't talk the the talk until you have walked the walk'. Can you possibly imagine the Balls Boy giving a class in a city centre school? He be stamped on and spat out before playtime!

 

parentsoutloud

What I find most distressing and disheartening is the "Balls, who received a standing ovation from some delegates in Birmingham"

WHY

 

belajus

@sneekyboy pushing a student into a door isn't quite what I had in mind with reasonable force in a justifiable situation!

 

ladyblue

Ed Balls is presiding over an Orwellian experiment to allow pupils to call the shots in the classroom. This will lead to a 'tail wagging the dog scenario' and ultimately to good teachers not joining the teaching profession and how will it help education??

 

bobby88

I twice replaced teachers who were badly beaten by students when working as a supply teacher in London. How do you think I would have done using force? That said, I often tugged on shirts and once or twice grabbed arms to stop fighting, which happened (seriously) daily in some of the schools... Teaching back in Canada is relatively effortless. It's a sad state of affairs there and nothing is being done to fix it in any real way.

It's all meetings and league tables and mock tests and course-work marking (and "not course-work" ignoring) and yelling at the top of lungs. There are simply not enough adults in the building to adequately control today's city kids. Classes are too big and respect is near zero. The kids deserve so much more than stressed, depressed, half-hearted efforts to just get through the day.

Paper-shuffling and random comments about teachers using force don't fix schools. Smaller classes and a well-trained assistant (possibly even a system of new teachers being an assistant before they progress) in every class would be a good start. Acknowledging that state schools are supposed to be good places to send kids and making them good rather than just mocking them for being crap all the time would be another good start.

Throw money at banks, relax regulations and let bankers do their jobs to fix the economy. Underfund schools, add red tape daily, tell teachers how to teach and suggest they use force to control their classes. Something is very wrong...

 

sneekyboy

The article does not say what the provocation was but I am merely using it as an example that when a teacher intervenes the system is geared against them. Do you suppose the student in the case received any disciplinary action?

Also who is to say that pushing the student into the door was not reasonable force? In self defence or defence of another student a mild shove into a door would be reasonable and justifiable.

The point is that in any instance the teacher comes off worse under the current touch me and I'll sue you culture.

 

ycooperballs

When will Balls stop micromanaging and let teachers and parents decide how to discipline children?! Balls should not be able to tell teachers that they are allowed to use force where necessary. It is not up to him! When is this micromanaging going to stop?! I have absolutely no control over my boy's education and it drives me mad. Balls obviously has no idea about how to educate children, it is time he let parents have a say.

 

suddafc

@ ycooperballsI feel the same ,I have experienced this micromanaging scheme on many occasions at my child?s school. How do you propose we institute change under such a poorly managed government.

 

ycooperballs

@ suddafc

Like you have said, it is obvious that the current government is not willing to give away any control to the parents. But neither are the Tories or the Lib Dems. I have a bit of a look round to see if any other parties were pro parental and teacher control and came across Jury Team, here is there web site http://juryteam.org take a look at it.

 

wackyraces

We need fresh thinking on schools and it's clear that neither of the BigBad3 are doing that. The teachers know it (they showed it yesterday lunchtime), the parents know it, and the kids need it. Any alternative is welcome.

 

suddafc

@ycooperballs I have perused the website, and they make some very valid points and hand a lot of control to the parents. The policy regarding the option to opt out is extremely beneficial. http://www.juryteam.org/p09-school-opt-out.php

 

Dougie2

Why would you let parents control schools? Unruly kids are raised by unruly parents...

Giving teachers more power is a good idea though - The Jury Team look alright, but who are they?!

 

ycooperballs

I have perused the website, and they make some very valid points and hand a lot of control to the parents. The policy regarding the option to opt out is extremely beneficial. http://www.juryteam.org/p09-school-opt-out.php

It is a great policy. It means that parents can choose to opt their child's school out of local authority control. By doing this, parents, teachers and governors can all work together and decide on the best way to dicipline children. Instead of having to discipline children the way Balls suggests.

If there is a Jury Team candidate in my area, I will definately be voting for them.

 

LittleMissMuffin

it doesn't matter who you vote for... nothing will change!!!

 

HappyHistorian

The answer is, of course, don't get into teaching in the first place. Those adverts, yes those, are dreadful. Secondary school kids are awful. Anybody who willingly takes on this career choice deserves everything they get.

At university, nearly everyone I knew wanted to teach. Do you know why? Was it to make a difference? No. The answer was that it was a secure income for the rest of their lives. It was, for them anyway, an easy option.

If nobody takes teaching as a career option, two things would happen, the people concerned will be happy, and there will be a shortage of teachers. The government, and maybe some parents, would have to face the truth that schools are a nasty place to be. What makes it nasty? The kids!

 

oldandrew

6 Apr 2010, 1:28PM

At university, nearly everyone I knew wanted to teach. Do you know why? Was it to make a difference? No. The answer was that it was a secure income for the rest of their lives. It was, for them anyway, an easy option.

That probably says more about the degree course you did than about teachers in general. Teaching was probably about the worst paid and most stressful of all the options available to me. But I did want to make a difference. Still do.

Teaching blog here.

 

Lonelysven

Violence toward disruptive children is not the way forward but a Soviet style liquid cosh could do a lot to restrain these little gits.

 

john479

Most of the comments here are either entirely irrelevant to the topic or misinformed.

I'm no fan of Balls but he is simply re-stating the law as it has existed in this country ever since corporal punishment in state schools was outlawed under Margaret Thatcher in 1986.

Teachers have always been legally entitled to use reasonable force to protect themselves or others (e.g to break up a fight ) or to protect property. He is not suggesting violence towards children, the vast majority of whom in both primary and secondary schools actually behave well and often better than many adults in the streets around their schools. He is simply making it clear that if a child has totally lost control and is smashing up the furniture or whatever it is not assault to stop them and never has been.

 

Needavoice

What happened to 'prevention is better than cure'. Surely the Social and Emotional Aspects of Learning (SEAL) are far more important, perhaps with the hope that fighting in school will diminish. A Utopian view I know but still very central.

My son's SEAL is applied during assembly. Because he is on the Autistic Spectrum he is unable to take in long verbal commands, the headteacher may as well be talking in another language.

Yet when he behaves in a socially unacceptable way he is punished, with absolutely no guidance or additional input.

When he moves to secondary I hope he won't fight but the likelyhood is, that he will because of his impulsivity. I feel completely frustrated that there will be an individual who has been 'trained' to restrain him but but no one to guide him on what is morally, socially or behaviouraly acceptable.

Please, this is the 21st century and the sooner we start working on young peoples empathy and self awareness the sooner they'll stop kicking s#*@ out of one another. Self esteem is key and young people need to feel good about themselves. As adults we are all responsible, parents, teachers, dinner ladies, for the outcomes in society so lets start working together and trusting one another.

 

mannin

The UK doesn't have a Ministry of Education, or even a Department of Education.

The only country in the world without one. That's why teachers like Shoesmith were put in charge of child protection. Total disaster. Where else would someone like Balls be put in charge ? Who is he ?

 

oldandrew

I feel completely frustrated that there will be an individual who has been 'trained' to restrain him but but no one to guide him on what is morally, socially or behaviouraly acceptable.

Well if that's the attitude of his parents he certainly doesn't have a hope.

SEAL is nonsense. You can't teach a class of 30 how to feel. Even if you could the emphasis on self-esteem wouldn't help. That said I haven't a clue what schools can do if you, as a parent, think it's somebody else's job to develop your son's social skills and behavour, and you are willing to use this as an excuse for his poor behaviour.

 

Needavoice

7 Apr 2010, 4:17PM

@oldandrew. You said it, SEAL is complete B@#*@cks and I hope now you have bought it into the political arena, we all can begin to have a dialogue about it. Because parent's believe it's the schools responsibility, teachers think it's the parents responsibilty. Meanwhile, young people are being stabbed while us 'adults' sit blaming one another. I do not hold the school responsible for my son's social and emotional intelligence and I quote myself, "As adults we are all responsible, parents, teachers, dinner ladies, for the outcomes in society so lets start working together and trusting one another".

I feel very judged by your comment and I know as parents go, I am a very good one.

My son is 10 and has lived with ADHD without Ritalin because of the behaviour modification techniques I use at home. His behaviour has been manageable both at home and in school.

I briefly read your blog on self esteem and at no point did you even mention Mental Health which is, as a parent of a child with medium level needs, is very scary. I refer you to Clare Allens article.

I chose to bring life into this world and I am completely responsible for every aspect of his Self, with a big 'S'. I am a responsible parent who will do everything she needs to, so that her child may know what is morally and socially acceptable.

 

If a child has an underlying mental health need, Cognitive Behavioural Therapy is useless without the right medication. I refer you to 'People with Hyperactivity', Edited by Eric Taylor, Lead Professor in ADHD, Institute of Psychiatry.

 

publicado por pedro-na-escola às 15:23
link do post | comentar | favorito

~posts recentes

~ E a Terra é plana…

~ A propósito dos melhores…

~ A propósito de oportunida...

~ A propósito das paranóias...

~ Especialistas em educação

~ O que vai ficar por fazer

~ Nuno Crato e a definição ...

~ Mega-Agrupamentos 4 - a p...

~ Mega-Agrupamentos 3

~ Mega-Agrupamentos 2

~ Mega-Agrupamentos

~ O segredo do sucesso nas ...

~ A anedota da vaca

~ Por falar em reduzir as d...

~ Agressividade de autores ...

~ Brincando às competências...

~ Pois, realmente, não foi ...

~ Contas ao número de aluno...

~ Reforço da autoridade dos...

~ Incompetência ao rubro...

~links

~arquivos

~ Julho 2011

~ Junho 2011

~ Maio 2010

~ Abril 2010

~ Março 2010

~ Novembro 2009

~ Outubro 2009

~ Setembro 2009

~ Agosto 2009

~ Julho 2009

~ Junho 2009

~ Maio 2009

~ Abril 2009

~ Fevereiro 2009

~ Janeiro 2009

~ Dezembro 2008

~ Novembro 2008

~ Outubro 2008

~ Abril 2008

~ Março 2008

~ Fevereiro 2008

~ Janeiro 2008

~chafurdar no blog

 
RSS