Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2008

O império dos mercenários da gestão

O novo modelo de gestão proposto pela ministra e pelos seus lacaios esconde interesses obscuros, que ainda não consegui decifrar. No entanto, é fácil apontar aspectos escandalosos. Se é que, hoje em dia, sob a bandeira de José Sócrates, alguma coisa é escandalosa! O novo modelo aponta para a figura de um senhor director, todo poderoso, em substituição das actuais equipas executivas. Vamos imaginar uma escola perdida nos montes, de pequena dimensão. É aberto o período de candidaturas para director. Qualquer pessoa que preencha os requisitos, pode chegar-se à frente e candidatar-se. Ou porque teve formação na área da gestão escolar, ou porque fez parte de um conselho executivo. O acréscimo de responsabilidades que assenta numa pessoa única, bem como algumas limitações de direitos que são impostas, levam potenciais candidatos locais a não se apresentarem. De longe, chegam candidaturas de pessoas desconhecidas, que também desconhecem a escola, o contexto social e económico da população, os profissionais que nela labutam, o parque escolar, as dificuldades, etc. Candidatam-se, porque podem candidatar-se. A lei assim o permite. Apresentam-se com um projecto de intervenção para uma escola que desconhecem. O conselho geral, na falta de candidatos conhecidos, é obrigado a optar por um desconhecido que virá – todo poderoso – governar uma instituição que desconhece. Competirá ao novo director, nomear adjuntos e coordenadores, que antigamente eram eleitos: os primeiros através da lista para o conselho executivo e os segundos por eleição entre os seus pares. Vai nomear pessoas que desconhece, para cargos vitais na escola. Pessoas que podem, à partida, recusar-se. Poderão recusar-se ser adjuntos de um director que desconhecem? O modelo baba-se com o discurso da democracia nas escolas. Não vejo onde. Em termos práticos, será fácil a um director governar uma escola a seu belo prazer – nomeia os seus amigos para adjuntos e coordenadores, dominando o conselho pedagógico e, por conseguinte, toda a escola. É a verdadeira democracia moribunda, o ambiente preferido de homens como José Sócrates e de mulheres como Maria de Lurdes Rodrigues.
publicado por pedro-na-escola às 01:11
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De José Luiz Sarmento a 31 de Janeiro de 2008 às 11:18
Encontrei o seu blogue via «Educação do Meu Umbigo». Parabéns: é excelente e diz sem papas na língua muitas coisas que precisam de ser ditas. Vou já acrescentá-lo à minha lista de «links».
Abraço


De Feiticeira a 31 de Janeiro de 2008 às 22:33
Parabéns pelo tema do blog e pelas ideias partilhadas.


Comentar post

~posts recentes

~ E a Terra é plana…

~ A propósito dos melhores…

~ A propósito de oportunida...

~ A propósito das paranóias...

~ Especialistas em educação

~ O que vai ficar por fazer

~ Nuno Crato e a definição ...

~ Mega-Agrupamentos 4 - a p...

~ Mega-Agrupamentos 3

~ Mega-Agrupamentos 2

~ Mega-Agrupamentos

~ O segredo do sucesso nas ...

~ A anedota da vaca

~ Por falar em reduzir as d...

~ Agressividade de autores ...

~ Brincando às competências...

~ Pois, realmente, não foi ...

~ Contas ao número de aluno...

~ Reforço da autoridade dos...

~ Incompetência ao rubro...

~links

~arquivos

~ Julho 2011

~ Junho 2011

~ Maio 2010

~ Abril 2010

~ Março 2010

~ Novembro 2009

~ Outubro 2009

~ Setembro 2009

~ Agosto 2009

~ Julho 2009

~ Junho 2009

~ Maio 2009

~ Abril 2009

~ Fevereiro 2009

~ Janeiro 2009

~ Dezembro 2008

~ Novembro 2008

~ Outubro 2008

~ Abril 2008

~ Março 2008

~ Fevereiro 2008

~ Janeiro 2008

~chafurdar no blog

 
RSS