Segunda-feira, 3 de Março de 2008

Eles não gostam dos professores 1

Isto já quase que parece um fetiche, mas eu tenho uma atracção muito grande pelos textos publicados que dizem mal dos professores. É uma forma de perceber a imagem que parte da sociedade tem de nós, para, depois, tentar perceber porque passa essa imagem, e, mais difícil ainda, tentar imaginar a forma de dar a volta à situação e inverter a má onda. Sinto-me pobre se me ficar pela crítica e não contribuir para a busca da solução (mesmo que não passe do salutar exercício de imaginação).
 
Assim sendo, aqui fica um primeiro dilúvio de ódios de estimação.
 
A "bestanegra"
Ponto, e vírgula, Rafael Barbosa Chefe de Redacção adjunto, Jornal de Notícias
 
Mas, afinal, por que protestam os professores? Fazendo um apanhado de algumas das generalidades que lhes ouvimos dizer em sucessivas manifestações, uma das razões é o facto de muitos deles terem votado PS nas últimas eleições e de estarem agora "arrependidíssimos até à raiz dos cabelos". Outra explicação é a de que, pelos vistos, a ministra está a "exterminar a classe dos professores". E outra ainda de que "as salas de professores se transformaram em lugares de desencanto". Do mal o menos, agarrando a frase como quem agarra uma tábua de salvação, foi a sala de professores, e não a sala de aulas, que se transformou em lugar de desencanto.
 
Não tenho nenhum interesse particular em defender a ministra da Educação. Considero, aliás, que muitas das boas medidas que fez aplicar nas escolas estão a ser aplicadas de forma deficiente [e muitas vezes graças à "greve de zelo" dos professores], o que pode transformá-las em medidas más. Mas vamos lá a ver a ninguém parece estranho que, de repente, milhares de pessoas decidam eleger Maria de Lurdes Rodrigues como a "besta negra" que há-de encher o país de analfabetos?
 
Rebobinemos este filme. Por que protestam os professores? Porque uma ministra decidiu que era tempo de impor a Escola a Tempo Inteiro, acabando com as tardes ou as manhãs livres? Porque uma ministra decidiu que era tempo de impor as aulas de substituição, combatendo o vergonhoso absentismo que se vivia nas nossas escolas? Porque uma ministra decidiu que era tempo de avaliar a prestação dos professores em vez de deixar prolongar a irresponsabilidade?
 
Tenho o máximo respeito pela profissão de professor. Mas só tenho o máximo respeito por uma parcela pequena dos nossos professores. Infelizmente, muitos deles não são mais do que verbo de encher. O desânimo e a incompetência que se vive nas escolas não são responsabilidade desta ministra. A "besta negra" dos professores é, provavelmente, os próprios professores.
publicado por pedro-na-escola às 23:05
link do post | comentar | favorito

~posts recentes

~ E a Terra é plana…

~ A propósito dos melhores…

~ A propósito de oportunida...

~ A propósito das paranóias...

~ Especialistas em educação

~ O que vai ficar por fazer

~ Nuno Crato e a definição ...

~ Mega-Agrupamentos 4 - a p...

~ Mega-Agrupamentos 3

~ Mega-Agrupamentos 2

~ Mega-Agrupamentos

~ O segredo do sucesso nas ...

~ A anedota da vaca

~ Por falar em reduzir as d...

~ Agressividade de autores ...

~ Brincando às competências...

~ Pois, realmente, não foi ...

~ Contas ao número de aluno...

~ Reforço da autoridade dos...

~ Incompetência ao rubro...

~links

~arquivos

~ Julho 2011

~ Junho 2011

~ Maio 2010

~ Abril 2010

~ Março 2010

~ Novembro 2009

~ Outubro 2009

~ Setembro 2009

~ Agosto 2009

~ Julho 2009

~ Junho 2009

~ Maio 2009

~ Abril 2009

~ Fevereiro 2009

~ Janeiro 2009

~ Dezembro 2008

~ Novembro 2008

~ Outubro 2008

~ Abril 2008

~ Março 2008

~ Fevereiro 2008

~ Janeiro 2008

~chafurdar no blog

 
RSS